A+ / A-
Caso Silvano

Rui Rio "não deixa cair os amigos"? PSD desmente

13 nov, 2018


Relato de encontro com militantes, em Viseu, não corresponde à verdade, garante a direção social-democrata.

O PSD desmente que o líder do partido, Rui Rio, tenha afirmado num encontro com militantes, em Viseu, que "nunca deixa cair os amigos" para defender o seu secretário-geral, José Silvano, no caso das falsas presenças do plenário do Parlamento.

Os relatos da reunião feito à agência Lusa são uma "mentira perversa", garante o partido.

De acordo com esses relatos, o presidente do PSD, Rui Rio, afirmou na segunda-feira à noite, perante militantes de Viseu, que "não deixa cair os amigos", questionado sobre a polémica em torno das falsas presenças de José Silvano na Assembleia da República.

Segundo a notícia inicial, foi o próprio Rui Rio que levantou o assunto, notando que não lhe tinha sido colocada qualquer pergunta sobre a polémica que marcou a semana passada.

Perante o desafio, foi questionado por um militante sobre como compatibilizava o caso de Silvano com o "banho de ética" que prometeu quando se candidatou à liderança do partido. Na resposta, Rio desvalorizou a polémica, negando que o secretário-geral tivesse agido de forma a receber indevidamente ajudas de custo.

A sessão, que decorreu na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu, insere-se numa volta pelo país do líder do PSD, em que pretende debater diretamente com os militantes do partido, já tendo marcado presença em distritos como Porto, Aveiro, Coimbra ou Santarém, entre outros.

O tema das faltas dos deputados ganhou relevo na última semana, com o caso das falsas presenças de José Silvano, em pelo menos duas reuniões plenárias, em 18 e 24 de outubro.

Na sexta-feira, a deputada social-democrata Emília Cerqueira admitiu que pode sido ela inadvertidamente a registar José Silvano quando entrou no computador com a 'password' do secretário-geral do partido para consultar documentos partilhados, o que levou o líder parlamentar, Fernando Negrão, a dar o caso como "encerrado".

Na passada quinta-feira, seis dias após o jornal semanário Expresso ter noticiado o caso (em 3 de novembro), José Silvano fez uma declaração no parlamento, sem responder a perguntas dos jornalistas, na qual assegurou não ter pedido a ninguém para que o registasse em plenários nos dias em que faltou por se encontrar a realizar trabalho político em Vila Real e Santarém na qualidade de secretário-geral.

Na mesma declaração, Silvano pediu que a Procuradoria-Geral da República, que já anunciou estar a analisar o caso, investigue o sucedido.

No dia 5 de novembro, na única vez em que se pronunciou publicamente sobre o caso, Rui Rio assegurou que mantinha a confiança política em José Silvano, e classificou o caso como do domínio das "pequenas questiúnculas".

"Claro que mantenho a confiança política. O caso não é agradável, como é evidente, não é um caso positivo, mas acha que ter uma proposta para o país, discutir o país, debater o país pode ser anulado pelas pequenas questiúnculas que estão constantemente a surgir neste partido e nos outros partidos. Não pode ser, temos de estar um bocadinho acima disso", afirmou, à margem de uma iniciativa no Porto.

[notícia atualizada às 00h24 - com o desmentido do PSD]

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.