O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões

Em 2027, cada português vai gastar 10 euros em produtos biológicos

29 out, 2018 • André Rodrigues , Paulo Teixeira (sonorização)


Em todo o mundo, 30% da comida que vai para o caixote do lixo está em perfeitas condições para ser consumida. Mas, no futuro, será possível resolver parte desse problema.

Estima-se que o desperdício alimentar em Portugal diminua 15% em 2027, a par com um aumento do consumo de produtos biológicos. É a conclusão de um estudo do IPAM que juntou especialistas de várias áreas para identificam as tendências alimentares dos portugueses para o futuro.

"O mercado dos produtos biológicos em Portugal vale cerca de 42 milhões de euros, ou seja, cada português consome anualmente 4 euros, sensivelmente", constata Rui Rosa Dias, um dos coordenadores deste estudo que antecipa um aumento do consumo de produtos biológicos para dez euros per capita, mais do dobro do consumo atual.

Assim sendo, em 2027 o negócio vai valer cerca de 100 milhões de euros em Portugal. "Ainda é um alfinete no contexto do setor agro-alimentar em Portugal, que vale 14 mil milhões de euros", diz Rui Rosa Dias.

Cerca de 90% dos produtos biológicos consumidos em Portugal são importados. "Estamos a falar de uma cadeia logística enorme que encarece as matérias-primas", admite.

Mas caro é comer barato, sobretudo para os recursos do planeta. É por isso que chega sempre uma altura do ano em que passamos a consumir recursos que só deveríamos gastar a partir de 1 de janeiro do ano seguinte. No caso português, estamos a viver a crédito desde 16 de junho.

Rui Rosa Dias considera que mais oferta de biológicos terá como consequência preços mais em conta.

E há uma nova geração que entra agora no mercado: mais preocupada com a sustentabilidade e com o meio ambiente. É aqui que o aumento do consumo de produtos biológicos ajuda a travar o desperdício alimentar.

"Vamos ter necessidade de reequacionar o nosso consumo diário. Vamos consumir menos per capita. O facto de aumentarmos o segmento biológico, não quer dizer que vamos aumentar também o desperdício. O desperdício vai ter políticas próprias de governação. É preciso taxar quem desperdiça alimentos bons para consumo. Portanto, vamos consumir mais produtos biológicos e, necessariamente, menos produtos convencionais", prevê.

Em todo o mundo, em três quilos de comida boa para consumo, um quilo vai parar ao lixo.

Se fosse aproveitada, daria para alimentar mais de 500 milhões de pessoas em situação de fome crónica ou severa. É exatamente o mesmo número da população total da União Europeia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Feyrha
    30 out, 2018 Fira 10:02
    "dividir para poder reinar" É o que faz a esquerdalha desde o 25 de abril de 1974. Se os portugueses apenas gastam 4 euros anuais em produtos biológicos a culpa é de quem?? A minha avó gastava 100% de produtos biológicos!! Eles destroem para depois poderem consertar. É assim que funciona a política! As pessoas queixam-se que o dinheiro não chega, então o que se faz?? Protestam e fazem greves para aumentar os salários. Em seguida o que acontece? Como os salários são mais elevados os patrões aumentam o preço aos produtos, e a seguir o que acontece? As pessoas deixam de ter dinheiro suficiente para comprar o que precisam. Em seguida o que se faz? Veem os contestatários dizer "queremos aumentos" e fazem greves e dizem que os que estão no governo não prestam e voltamos ao mesmo...