Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

​“Fake news” em Portugal

23 out, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


É chocante que sindicatos da PSP tenham utilizado o sinistro método das notícias falsas para se defenderem.

Uma das mais sérias ameaças à vida democrática atual está na difusão de notícias falsas (as chamadas “fake news”) através das redes sociais. Boa parte dos utilizadores dessas redes não se interessa pela maior ou menor verdade da notícia – apenas conta, para eles, se a “notícia” corresponde ou não às suas convicções, seja ela verdadeira ou falsa.

Trump utilizou este método lamentável para ser eleito. No Brasil, Bolsonaro segue-lhe o exemplo, em larga escala. E as interferências russas nos processos eleitorais dos EUA e de países europeus igualmente recorreram às “fake news”.

Também circulam na internet notícias falsas alheias à política – para fins de promoção comercial, por exemplo. Mas a principal vítima das notícias falsas é o debate político democrático, que desaparece. Nada subsiste para debater quando as convicções são tão fortes que se alheiam da realidade. A noção de verdade deixa de valer. E as posições políticas polarizam-se em dois extremos que se ignoram, exceto para se insultarem.

Parece que entre nós o fenómeno ainda não atingiu grandes proporções, felizmente. Mas já existe e tende a aumentar, designadamente na área desportiva. E fala-se de uma fotografia de Catarina Martins, líder do BE, exibindo um relógio caro – só que a foto é falsa.

É chocante, porém, que um sindicato de polícias haja recorrido a este método. Incomodado com as críticas (justas) do ministro da Administração Interna à divulgação de fotografias autênticas da detenção dos três criminosos que fugiram de um tribunal no Porto e foram recapturados, esse sindicato da PSP utilizou imagens de idosos agredidos, sugerindo serem vítimas dos suspeitos que fugiram do tribunal. Ora as fotografias são de idosos agredidos no estrangeiro, que vários órgãos portugueses de informação identificaram. Um outro sindicato da PSP repetiu a falsa insinuação.

Os polícias devem manter uma imagem de autoridade, por muitas que sejam as suas queixas profissionais. Terem lançado mão de “fake news” só os diminui aos olhos dos portugueses.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Transparência sim!
    27 out, 2018 Amadora 14:43
    E a CENSURA nos media em Portugal ! Uma das mais sérias ameaças à vida democrática e à civilização atual é a censura vergonhosa nos media. Em todo o lado há bons a maus, no jornalismo só há bons! Como é possível?
  • Peter
    23 out, 2018 Polska 21:13
    Então é falso que as pessoas que aparecem nas fotografias foram agredidas??? Que lábia...