A+ / A-

BPP. João Rendeiro condenado a cinco anos de prisão com pena suspensa

15 out, 2018 • Tiago Palma


Foram igualmente condenados pelos crimes de falsidade informática e falsificação de documento dois ex-administradores e dois ex-quadros do banco.

O ex-presidente do Conselho de Administração e fundador do Banco Privado Português (BPP), João Rendeiro, de 66 anos, foi esta segunda-feira condenado pelos crimes de falsidade informática e falsificação de documento a cinco anos de prisão com pena suspensa, mediante o pagamento de 400 mil euros à associação Crescer.

No mesmo processo de Rendeiro, e igualmente acusados de falsidade informática e falsificação de documento, crimes ocorridos entre 2001 e 2008, estavam dois ex-administradores do BPP, Paulo Guichard e Salvador Fezas Vital, e dois ex-quadros do banco, Fernando Lima e Paulo Lopes.

Guichard foi condenado a quatro anos e três meses de pena suspensa se pagar 25 mil euros à associação Os Anjos. Fezas Vital, outro dos antigos administradores do banco, foi condenado, também pelos mesmos dois crimes, a três anos e seis meses de prisão, mas a pena será suspensa se pagar 15 mil euros à associação Cais. Paulo Lopes foi condenado a um ano e noves meses de pena suspensa, enquanto Fernando Lima foi condenado a um ano de cadeia por falsidade informática, estando obrigado ao pagamento de uma multa de 5,4 mil euros.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lv
    15 out, 2018 lx 20:56
    Não é por acaso que todos os ladrões psd/cds queriam a continuação da Vidalha, agora querem que a nova PGR siga a mesma linha!
  • Filipe
    15 out, 2018 évora 18:48
    Cumpre prisão efetiva em Tires por ter conjugado umas sílabas que consideram excesso de Liberdade de Expressão a seita que Comanda os Tribunais em Portugal , uma senhora . Estes e outros que prejudicam seriamente a vida de muitos e outros que matam nas estradas , apanham penas suspensas . Tem o dinheiro roubado a terceiros para pagar a liberdade e certamente que não vão cometer crimes iguais . Não se justifica a suspensão , pois não vai haver igual ! Uma conjunto de gente ordinária que profere estas Sentenças .
  • Jorge
    15 out, 2018 Seixal 18:27
    Em Portugal o crime na banca compensa. Vale a pena gamar uns milhões, depois a justiça obriga a pagar uns milhares e o assunto fica resolvido, o restante do desfalque os contribuintes que paguem.
  • Rm
    15 out, 2018 18:12
    Não admira. O PS não deixa nenhum corrupto ir preso. Fez as leis penais assim.
  • paulo alves
    15 out, 2018 porto 17:39
    o crime compensa.....