A+ / A-
Casa Comum

“Governo acordou tarde" para drama dos portugueses na Venezuela

10 out, 2018


As linhas gerais do Orçamento do Estado para 2019, a primeira volta das presidenciais no Brasil, os mais recentes desenvolvimentos no caso de Tancos e a crise na Venezuela que atinge milhares de portugueses e lusodescendentes foram temas em destaque no programa Casa Comum desta semana, com o eurodeputado do PSD Paulo Rangel e o presidente da Câmara de Lisboa, o socialista Fernando Medina. Sobre a questão da Venezuela, Paulo Rangel diz que “o Governo acordou tarde”, durante três anos houve “total abandono” dos portugueses na Venezuela, que só mudou recentemente.
Casa Comum - Os portugueses "abandonados" na Venezuela - 10/10/2018
Casa Comum - Os portugueses "abandonados" na Venezuela - 10/10/2018

Grande destaque esta semana para os planos das contas portuguesas para 2017. As metas macro-económicas já foram definidas: crescimento de 2,2%, um défice de 0,2% e uma taxa de desemprego de 6%. Para Paulo Rangel, estes números não são um problema, uma vez que "só a primeira versão do OE de 2016 é que veio totalmente reescrita de Bruxelas". O eurodeputado acha que há algum optimismo no crescimento económico, mas que quase tudo se resume numa fórmula que é "o PS enveredou por um Estado salarial e desfazer um Estado social". Rangel queixa-se do estado em que está o sector da Saúde e diz que "nem nos tempos da troika se faziam estes cortes num serviço básico como este". O social-democrata lembra os cortes feitos na Protecção Civil (com repercussões nos incêndios do ano passado) e na Prevenção Rodoviária: "Há quanto tempo não temos uma campanha contra a sinistralidade? E os resultados estão à vista...".

Sobre possíveis aumentos das taxas de juro vindas do BCE e que podem baralhar todas as contas do Governo, Fernando Medina diz que "já ninguém questiona este OE, com metas traçadas" e rigorosas. Nem parece em perigo a aprovação por parte da Comissão Europeia.

"Simpatia por Chavez resultou num esquecimento do problema chamado Venezuela"

Para Paulo Rangel, o Governo português "foi assobiando para o lado" em relação ao regime venezuelano e está a acordar tarde para o problema criado naquele país sul-americano com centenas de milhares de emigrantes portugueses que podem querer regressar às origens por causa da instabilidade.

E Bruxelas e Lisboa como devem lidar com Caracas? Para Fernando Medina, deve haver "firmeza, descrição, mas eficácia". A questão é a de termos 600 mil portugueses naquele país e o diálogo tem de ser cauteloso.

Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.