Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

O “brexit” na hora das decisões

08 out, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


A UE parece disposta a negociar com Londres um acordo de transição para o “brexit”. Mas as incertezas são muitas.

A primeira-ministra britânica Theresa May dançou perante o congresso do partido conservador, antes de iniciar o seu discurso de encerramento. Foi alvo de muita troça por causa disso, mas o facto é que ela não foi “apeada” do seu cargo, como pretendiam inúmeros seus colegas de partido e até de governo. A política britânica encontra-se num verdadeiro pandemónio, que parecia impensável no país que inventou a democracia liberal moderna.

Depois da recepção gelada da UE, na cimeira informal de Salzburgo no final de Setembro, à proposta de May para o acordo de transição do “brexit”, há dois dias o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou-se optimista quanto à possibilidade de se encontrar um entendimento entre a UE e o Reino Unido já nas próximas duas semanas. E de esse acordo vir a ser aprovado numa cimeira europeia em Novembro.

Será uma reação às críticas de que a UE teria sem justificação humilhado May em Salzburgo e de que era responsabilidade do negociador-chefe da UE, Michel Barnier, apresentar contra-propostas às ideias da primeira-ministra? Talvez. Mas não é impossível que tenham depois surgido algumas contra-propostas da UE, pois a perspetiva de o Reino Unido abandonar a Europa comunitária sem qualquer acordo é muito negativa para as duas partes, embora mais para os britânicos. Tanto a UE como o Reino Unido aceleraram entretanto preparativos para limitar tanto quanto possível os prejuízos de um “hard brexit”, caso aconteça. Mas essa é uma questão de elementar prudência.

Infelizmente, não se vê como, sendo a conhecida proposta de T. May violentamente criticada por uma parte do seu partido (que a considera demasiado “europeísta”), possa vir a ser aprovado em Londres um texto onde May faça mais concessões à UE. E continua a não existir uma solução para manter aberta a fronteira entre a República da Irlanda e o Ulster (Irlanda do Norte), uma vez que o Reino Unido sairá do mercado único europeu.

O problema começou por ser pretensamente resolvido com frases contraditórias, para ganhar tempo (uma prática habitual em Bruxelas); mas voltar a fechar aquela fronteira porá em causa o acordo de paz obtido há vinte anos entre protestantes e católicos do Ulster. Não ajuda o facto que T. May ter insensatamente provocado eleições para reforçar a sua maioria na Câmara dos Comuns – acabando por perder essa maioria. É que o governo de T. May depende agora do apoio parlamentar do partido pró-britânico do Ulster, que não parece muito preocupado com a paz no seu território.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • FERNANDO MACHADO
    08 out, 2018 PORTO 15:07
    QUEM VAI DANÇAR É A (DES)UNIÃO EUROPEIA E ENTRAR NA REGRA DO BOM VIVER, ISTO É, SEM ARTIFÍCIOS. SEM MEDOS, COMO DIZIA O OUTRO.