Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

Bons e maus tempos à vista

08 out, 2018 • Opinião de Ribeiro Cristovão


A turbulência carregada do fim da última temporada e do começo desta começa a constituir cada vez menos uma justificação para o insucesso que e a instabilidade dos tempos mais recentes.

Em dia de clássico a deslocação do Sporting a Portimão passou inicialmente para segundo plano. Infelizmente, para os leões, a situação parecia invertida quando soavam as 22 horas deste domingo. E havia razões de sobra para isso: do Benfica-FC Porto restavam poucos comentários.

A vitória final dos encarnados foi reconhecida como justa por praticamente toda a gente, o resultado havia sido escasso, e a qualidade do futebol exibido no palco da Luz não dava para construir grandes parangonas.

Em Portimão tudo aconteceu à revelia daquilo que havia sido previsto.

O Sporting defrontava o lanterna vermelha da classificação e, pese embora vir de uma deslocação longa, pendia para o seu lado o favoritismo do jogo, mesmo não deixando de ter em conta a péssima exibição produzida no jogo de Poltava, na Ucrânia.

Só que os leões não melhoraram a qualidade do seu jogo em relação à passada quinta-feira, o que implica naturalmente uma má apreciação ao trabalho da maioria dos seus jogadores e, ao mesmo tempo, a colocação de algumas reticências relativamente às diversas opções levadas a cabo pelo seu treinador.

A turbulência carregada do fim da última temporada e do começo desta começa a constituir cada vez menos uma justificação para o insucesso que e a instabilidade dos tempos mais recentes.

Duas derrotas consecutivas no campeonato, Braga e Portimão, uma exibição medíocre na Liga Europa e uma vitória escassa arrancada a ferros merecem uma reflexão profunda.

Os tempos que vão seguir-se, mesmo com duas semanas de paragem na Liga, não vão ser fáceis para as bandas de Alvalade. Frederico Varandas tem grandes dores de cabeça à vista.

Ao contrário, ali por perto, na Luz, há boas razões para olhar o futuro com optimismo.

Uma vitória sobre o grande rival FC Porto, não muito frequente até aqui, vai dar para respirar fundo e preparar sem afogo o período que se seguirá à paragem.

E do lado dos dragões também não há motivos para alarme, apesar de em sete jornadas a equipa já perdido duas vezes. É verdade que têm que melhorar o seu jogo, mas o plantel de que dispõe dá garantias seguras.

Artigos AnterioresRibeiro Cristovão
 

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ricardo
    08 out, 2018 Lisboa 15:53
    Não sei qual a surpresa em Portimão só se foi o Portimonense não ter dado 7 ou 8 , o SC HOLDIMO vai fazer uma época ainda mais miserável que a de 12-13 talvez um 9º ou 10 º lugar , mas agora tem um "presidente educado e glamour " como a CS gosta espero não ter este comentário censurado a semelhança do anterior .....
  • Ricardo
    08 out, 2018 Lisboa 11:38
    O que está a acontecer no SCP é bem feito , correram com o maior presidente de sempre para colocar um presidente medíocre a frente do clube , pelo meio uma CG inarrável que contratou um treinador de 5ª categoria despedido 17 vezes !!! nos últimos 14 anos , e atenção este escriba que foi um dos responsáveis pela queda do enorme BDC , esqueceu -se de referir o descalabro do futebol de formação soma goleadas semana após semana e as modalidades algumas delas com fim próximo a vista , em 7 finais de SUPERTAÇA perderam 5 algumas delas como o voleibol e o hóquei com goleadas copiosas . O pobre Peseiro tem guia de marcha marcada para depois do jogo com o Arsenal quando levar em casa uma manita da mediana equipa inglesa .