Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-
OPINIÃO EURANET

​A “internacional populista”

25 set, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


O movimento anti-imigrante, anti-UE e anti-democracia liberal tem relações curiosas com o grupo adversário do Papa Francisco e também com a extrema-esquerda.

Salvini, líder da Liga e principal figura do governo italiano, “é como Trump”. Trata-se de um elogio, dito no sábado pelo ideólogo e ex-assessor de Trump, Steve Bannon. Este homem escolheu agora como sua principal tarefa unir as várias forças populistas, eurocéticas e contrárias a imigrantes, que estão a crescer na Europa. A primeira etapa deste movimento será obter um bom resultado nas eleições para o Parlamento Europeu, em maio de 2019. E S. Bannon conta com Salvini para promover a sua ideologia.

Aquela declaração foi proferida numa festa de um pequeno partido que se considera pós-fascista, os “Irmãos de Itália”, evento no qual também Salvini participou – o que não admira, pois Salvini está muito próximo do fascismo. E gosta de se apresentar com um terço e, por vezes, com o Evangelho na mão, apesar de divorciado e com um filho fora do casamento. Como se o ódio ao imigrante tivesse lugar numa visão cristã da vida.

Entre nós fala-se pouco de que a “internacional populista” que Steve Bannon tenta lançar tem também uma dimensão religiosa, embora ele seja três vezes divorciado. Em 2014 S. Bannon proferiu uma conferência no Vaticano, organizada por um instituto onde é influente o cardeal Raymond Burke, que há semanas “exigiu” a demissão do Papa Francisco. O braço direito de S. Bannon em Itália é Benjamim Harnwell, líder daquele instituto e membro do grupo anti-Francisco. O movimento de Bannon está a criar, num antigo mosteiro a 130 km. de Roma, uma academia político-religiosa, que dentro de um ano deverá promover cursos, conferências, retiros, etc. Ou seja, existe uma clara e pública articulação entre o movimento que levou Trump à Casa Branca e o grupo que, dentro da Igreja Católica, se opõe ao Papa Francisco.

Por outro lado, é notória a simpatia que Putin, ex-KGB, goza junto das principais figuras do movimento que quer destruir por dentro a UE. Basta lembrar Trump (a cúpula do movimento), Marine Le Pen, V. Orban, etc. E o próprio PCP recusou-se, no Parlamento Europeu, a votar contra as entorses à democracia que V. Orban promove na Hungria. Mas aí nada há de radicalmente novo. Marx e depois Lenine abominavam os socialistas que defendiam a democracia liberal; os comunistas consideravam-na (e consideram) um embuste. E na Alemanha a ascensão do nazismo beneficiou do facto de os comunistas não se unirem aos sociais-democratas na luta contra Hitler. O pacto germano soviético de agosto de 1939 (também conhecido por pacto Molotov-Ribbentrop) foi apenas uma expressão particularmente escandalosa dessa união entre extremos.


Este conteúdo é feito no âmbito da parceria Renascença/Euranet Plus – Rede Europeia de Rádios. Veja todos os conteúdos Renascença/Euranet Plus

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ricardo
    25 set, 2018 Lisboa 20:01
    O drama e o horror anti- UE segundo o dr. Cabral , dos escândalos da DC em Itália e das vigarices de Craxi amigo de Soares e ideólogo da UE nem uma palavra , só para terminar o que tem o Dr. Cabral contra o divórcio olhe que os católicos a excepção dos beatos onde se posiciona são na maioria a favor .