A+ / A-

Medicamentos usados. Zero alerta que podem ir parar à água

21 set, 2018


Associação defende uma campanha "com um incentivo monetário" para encorajar a entrega dos medicamentos e alargar os pontos de recolha.

A associação ambientalista Zero lamentou a "fraca colaboração" das pessoas na entrega de medicamentos para reciclar, apontando que, no ano passado, só 17% do que foi comprado foi recolhido, e alerta que podem estar a ir parar à água.

"Apesar de se registar um aumento de 8% nos resíduos recolhidos, a maior parte dos portugueses não está a encaminhar corretamente os resíduos de embalagens e restos de medicamentos" que comprou mas deixou de usar, indica a Zero, que se baseou nos dados da sociedade Valormed, que gere os resíduos de medicamentos.

Ao mesmo tempo, a associação assinala que pelo menos um estudo feito na água recolhida no estuário do Tejo revelou a presença de "antibióticos, de anti-hipertensivos e anti-inflamatórios em mais de 90% das amostras".

A Zero afirma que não chega esperar que os cidadãos colaborem voluntariamente e ouçam as mensagens das campanhas de sensibilização e propõe medidas como uma tara sobre as embalagens para evitar que vão para o lixo.

Defende ainda que se estude uma campanha em 2019 "com um incentivo monetário" para encorajar a entrega dos medicamentos e alargar os pontos de recolha às 1.250 parafarmácias, que também vendem medicamentos não sujeitos a receita.

Quartéis de bombeiros, instituições de solidariedade e outros locais também deviam ter pontos de recolha, sugere a associação.

No ano passado, as farmacêuticas declararam 304 milhões de embalagens vendidas à Valormed, correspondente a 5.895 toneladas de resíduos, mas apenas 975 toneladas foram entregues nas farmácias, um aumento de 8% em relação a 2016.

Parte dos medicamentos que não são entregues estarão a contaminar águas, porque as pessoas os deitam fora nos esgotos, estima a Zero.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lino
    21 set, 2018 lisboa 14:30
    A associação vale zero porque se sabe á ´muitos muitos anos e o primeiro estudo que conheço foi realizdo emPARIS que as aguas estão contaminados com medicamentos -há listagem dos mesmos---porque os mesmos são eliminados através da urina e fezes e pelos vistos os tratamentos feitos pelas etars não os eliminam.Estao no topo da lista a pilula,os medicamentos contra acido úrico etc.Portanto a maior parte da poluição vem da utilização de medicação e não colocação da mesma diretamente na agua.Tambem gostaria de saber quem poe medicamentos sólidos nos canos para os entupir.Vao bugiar.