A+ / A-
​Educação

Dinheiro para manuais escolares começa a ser transferido esta semana

17 set, 2018


Há alunos ainda sem os manuais no arranque do ano letivo. Associações de Pais esperam que o problema fique resolvido até ao final da semana.

O Ministério da Educação começa esta semana a transferir verbas para as escolas para pagar os manuais escolares para alunos do primeiro ao sexto ano de escolaridade.

As transferências financeiras vão ser feitas pelo Instituto de Gestão Financeira da Educação.

Numa nota enviada à Renascença, o Ministério garante também que foram já emitidos todos os “vouchers” para os pais levantarem os livros dos filhos.

O gabinete do ministro Tiago Brandão Rodrigues diz que é alheio à lógica comercial das livrarias e da forma como estão a fazer a entrega e gestão do stock de manuais escolares.

O que é certo é que há alunos ainda sem os manuais neste primeiro dia de aulas. Jorge Ascensão, presidente da Confederação das Associações de Pais (Confap), espera que a entrega desses manuais fique resolvida até ao final desta semana.

“Quase todos os anos há sempre um ou outro manual que falta. Não temos conhecimento da dimensão da situação, mas esperemos que não venha a perturbar as aprendizagens das crianças. Vamos aguardar e esperar que tudo se resolva. Se esta semana as famílias não tiverem os manuais, começa a ser preocupante.”

A Confap regista alguns constrangimentos neste novo ano letivo, que são reflexos das perturbações registadas em junho e julho com a greve de professores às avaliações.

As associações de pais também estão preocupadas com os novos protestos anunciados pelos professores, que não chegaram a acordo com o Ministério da Educação sobre o descongelamento das carreiras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.