A+ / A-

Venezuela. Doze países procuram soluções

03 set, 2018


A reunião foi convocada pelo Equador. Maduro foi convidado.

Representantes dos governos de 12 países da América Latina estão reunidos em Quito, Equador, para tentar encontrar soluções conjuntas para lidar com o êxodo de venezuelanos, que fogem da crise no seu país.

A reunião foi convocada pelo Equador que, segundo a imprensa equatoriana, convidou também o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, mas cuja presença não está confirmada.

Participam representantes da Argentina, Brasil, Colômbia, Costa Rica, Chile, México, Panamá, Paraguai, Peru e Uruguai.

Também está presente uma delegação da Bolívia, um Governo que é tido como aliado da Venezuela.

Em debate está a eventual eliminação de restrições ao trânsito de venezuelanos e a adoção de medidas conjuntas que passam pela criação de um fundo comum de apoio, proposto recentemente pela ONU.

Segundo dados da ONU pelo menos 2,3 milhões de venezuelanos estão radicados no estrangeiro, entre eles 1,6 milhões de cidadãos que emigraram desde 2015, devido ao agravamento da escassez de alimentos, medicamentos e aos altos preços dos produtos na Venezuela, tendo em conta os baixos salários locais.

Países como o Brasil, a Colômbia, o Chile, o Panamá, a Argentina, figuram entre os principais destinos dos venezuelanos que emigraram para nações da América do Sul, nalguns casos a pé, pelas estradas.

Para o dia 5 de setembro está prevista uma reunião extraordinária do Conselho Permanente da Organização de Estados Americanos, para tratar da crise na Venezuela e do êxodo de venezuelanos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.