Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-
Opinião de Henrique Raposo

Como criar uma criança decente?

20 jul, 2018 • Opinião de Henrique Raposo


Se calhar, temos de educar segundo uma teoria do mal, não segundo uma teoria do bem. Não, não é uma desistência. É o reconhecimento de que a bondade vem de uma fonte que não controlamos.

É a bondade uma matéria que pode ser ensinada e aprendida? Ou é inata? É uma daquelas coisas que se tem ou não se tem como um talento? Ser bom é tão arbitrário como ter jeito para jogar à bola? Há pessoas naturalmente menos marcadas pelo pecado original? Ou seja, até que ponto a generosidade que as minhas filhas demonstram num determinado momento é fruto do meu esforço e educação? Até que ponto aquele momento terno ou aqueloutro rude são intrínsecos à sua natureza e, portanto, exteriores a qualquer acção formativa da minha parte? Na resposta à questão, o meu orgulho fala bastante alto. Quando uma delas é generosa com a irmã ou com um estranho, sinto a doce picada do ferrão do orgulho, Sou mesmo bom pai! O inverso também acontece. Quando uma é agressiva ou ingrata, sinto de imediato a frustração, Estou a falhar! Faz isto algum sentido?

Numa entrevista já antiga ao Wall Street Journal, o grande Cormac McCarthy afirmou que a bondade não pode ser ensinada ou apreendida. Ele tem um ponto. A bondade não é um conhecimento técnico que se acumula, isto é, a ética não é como a ciência. A ciência é cumulativa, cada geração acrescenta algo de novo ao pote que se vai enchendo de areia. Ao invés, a ética é uma luta constante, o pote nunca fica cheio, a areia está sempre a desaparecer pelo fundo rachado, todas as gerações cometem os mesmos erros. Talvez seja por isto que Cormac, enquanto pai, sente que tem pouco ou nada para ensinar ao filho. Mas aqui é preciso ter cuidado com a inércia. A impossibilidade de estabilizarmos e isolarmos a bondade enquanto princípio activo não legitima o cinismo. Se o bem não pode ser ensinado passo a passo, se não há um road map para a bondade, há de certeza um mapa para o mal. O mal, recorda o escritor americano, pode ser ensinado. “Não há muito que possas fazer para transformar um miúdo em algo que ele não é. Mas podes de certeza destruí-lo. Se fores cruel e ruim, podes destruir a melhor pessoa”.

Se calhar, é isto. Se calhar, temos de educar segundo uma teoria do mal, não segundo uma teoria do bem. Não, não é uma desistência. É o reconhecimento de que a bondade vem de uma fonte que não controlamos. Quando os nossos filhos estão a ser generosos, temos de aceitar que aquela generosidade é sobretudo deles e de Deus. Devemos estimá-la e potenciá-la, mas sempre na consciência de que promover o bem é como fazer castelos na areia na praia. Aquilo que pode ser um castelo de ferro indestrutível e sempre debaixo do nosso controlo não é a bondade. É a decência. É por isso que falo em criar “crianças decentes”, uma meta honesta e exequível, e não em "crianças boas”, uma meta quimérica e cheia de bazófia. Haverá poucas frases mais arrogantes do que "o meu filho é bom". A bondade é o trabalho dos santos e almeja a utopia dos céus. A decência é o nosso trabalho e procura a elevação acima do estado da natureza. O bondade é demasiada gasosa e fugaz, vai e vem, é uma matéria que não está na nossa tabela periódica. A decência, sim, é algo que se pode ensinar e treinar. E educar para a decência passa sobretudo por confrontar as crianças com as suas próprias falhas.

Por outras palavras, eu não posso ensinar a bondade às minhas filhas, mas posso ensiná-las a terem a guarda levantada em relação aos seus próprios pecados. Elas têm e continuarão a ter os seus grandes momentos de bondade, mas esses momentos nascem e nascerão da sua centelha, não da minha educação. Portanto, quando elas demonstram generosidade, devo ficar feliz por elas e agradecer a Deus. O meu orgulho deve ficar no saco. Este orgulho paternal só pode sair do saco quando elas entram num momento de contrição para pedir desculpa por um erro que cometeram - orgulho na educação cristã que lhes tento dar todos os dias com a ajuda de Deus.

PS: Boas férias. Esta crónica regressa em Setembro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuela
    20 jul, 2018 lx 21:31
    " A decência é o nosso trabalho e procura a elevação acima do estado da natureza. A bondade é demasiada gasosa e fugaz, vai e vem, é uma matéria que não está na nossa tabela periódica. A decência, sim, é algo que se pode ensinar e treinar. E educar para a decência passa sobretudo por confrontar as crianças com as suas próprias falhas." A ''decência'', nada mais apropriado para explicar o que é correcto, em termos de educação de qualquer criança! não podemos moldá-los, mas podemos mostrar-lhes exemplos de bons comportamentos, para que lhes sigam o exemplo. Há livros de histórias, que para os mais pequenos são bons exemplos contados e com uma certa graça à mistura, eles fixam os personagens e imitam-os! é um bom começo... um bom livro, é um bom amigo, ao longo da vida. Depois há uma certa chantagem por parte da mãe, que se pode mostrar triste ou contente, com certas atitudes dos filhos, isso causa transtorno neles; eu lembro-me: o que me custava, ver o meu pai ou a minha mãe, sem o sorriso habitual deles. O meu pai falava pouco, mas dizia-nos muito! ele tinha uma certa maneira de se fazer entender, sem nada dizer! eu adorava o meu pai.
  • João Lopes
    20 jul, 2018 Viseu 18:29
    Provérbio: «Filho és hoje, pai serás, conforme o fizeres, assim o acharás».
  • Tiberio
    20 jul, 2018 lisboa 10:11
    Este assunto é pertinente mas muito polémico.O bem e o mal rege-se por questões culturais , imposições politico legislativas ou religiosos.Logo será desigual conforme zona do planeta.Falando por exemplo de racismo ,acho q ultimo programa pós e contras 2 feira desenvolveu varios anticorpos na sociedade civil isto a propósito do novo museus das descobertas.Pessoalmente tenho familiares diretos pretos do ex congo belga por quem sempre tive estima, com a raiva demon trada pelos contra vou abrir exceção familiar e ser racista e xenófobo para os raivosos q querem inverter história e valores.Mais um grupo ativista contra história Portugal.Na Alemanha há um museu sobre a época de Hitler e a histeria não existe.Existirá se esquerda chegar ao poder como Espanha etc.As ruas de portugal pós 25 abril alteraram toponímia chegando a ter nomes como Lenine etc.A história é imutável.D Afonso Henriques existiu ,Salazar tb podem inventar/apagar estes playrs?Já agora sempre viveram no Litoral por questões estratégicas e defesa do desenvolvimento do País.O bem ,o mal e a normalidade não são valores absolutos e realistas existam em regime de volatibilidade politica e resistem nas células familiares,seitas,religioes etc-o contra poder ao PODER.
  • Paulo Mascarenhas
    20 jul, 2018 Lisboa - Portugal 09:22
    Excelente crónica, vou sentir falta em Agosto.