O Mundo em Três Dimensões
Números que contam histórias. De segunda a sexta às 05h40, 14h30 e 21h10 com reposição ao fim-de-semana.
A+ / A-
Arquivo
O Mundo em Três Dimensões - Ensino Superior  - 18/07/2018
O Mundo em Três Dimensões - Ensino Superior  - 18/07/2018

Mais um ano, mais uma corrida ao ensino superior

18 jul, 2018 • André Rodrigues José Luís Moreira (sonorização)


Candidatos a universitários deste país este é o vosso dia. O site Infocursos, do ministério da Ciência e Ensino Superior revela que há 31 cursos com taxa de desemprego igual a zero.

Depois do nervoso miudinho da passada quinta-feira para conhecer as notas dos exames, agora é a altura de pensar na universidade.

Não queremos condicionar as escolhas dos candidatos, em função da empregabilidade dos cursos, mas esta pode ser uma informação extremamente útil, sobretudo nos casos de maior indecisão: o site Infocursos, do ministério da Ciência e Ensino Superior revela que há 31 cursos com taxa de desemprego igual a zero.

Alguns exemplos: Engenharia Informática em Aveiro (42 inscritos, 42 empregados), Ciências do Mar, também em Aveiro (31 inscritos, 31 no mercado de trabalho), Medicina na Universidade da Beira Interior (465 alunos, 465 médicos no mercado de trabalho), Física em Coimbra (49 estudantes, zero desemprego), Medicina em Coimbra )apenas um desempregado entre mais de 1.100 alunos).

No top dos cursos com mais desemprego, estão arquitetura e psicologia.

Em termos de taxa de colocação, cerca de metade dos que se candidataram no ano letivo anterior ficaram na primeira escolha. Dos mais de 45 mil alunos que entraram com candidaturas à universidade na primeira fase do ano passado, dois em cada cinco conseguiram entrar na primeira opção.

Um ano após iniciarem o curso, quatro em cada cinco estudantes continuavam inscritos na mesma opção.

Mais de metade (54%) dos inscritos no ensino superior são mulheres. Medicina, na Universidade de Lisboa, foi o curso mais feminino no ano letivo 2016-2017, cerca de 1500 alunas contra cerca de 800 homens. No mesmo período houve nove cursos sem mulheres e 13 com apenas uma.

E só 5,5% dos diplomados entre 2013 e 2016 estavam inscritos no Instituto de Emprego e Formação Profissional. Pouco mais de 8 mil em quase 150 mil licenciados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.