Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral

​As alterações climáticas são reais

17 jul, 2018 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


As medidas de adaptação às alterações climáticas são ingratas de tomar. Mas proteger os portugueses é uma obrigação ética.

Quando eu era criança, nos finais dos anos 40 do século passado, alguns adultos em Portugal queixavam-se de que o clima estava a mudar. E havia, então, uma “explicação” frequente: o trágico bombardeamento nuclear americano a Hiroshima e Nagasaki, que levou à rendição do Japão na II guerra mundial, era a alegada causa dessas aparentes mudanças climáticas. Compreende-se que fantasias deste tipo tenham promovido um certo ceticismo quanto ao aquecimento global e às mudanças climáticas.

Mas hoje já não é racional negar o aquecimento global nem as mudanças climáticas. Desgraçadamente, o país que mais carbono lança para a atmosfera, os Estados Unidos, tem hoje um presidente que não acredita, ou afirma não acreditar, nessas coisas. Trump nomeou para o departamento governamental do ambiente um cético, um advogado conhecido por processar a agência ambiental que ele iria chefiar. Mas o advogado Scott Pruitt já teve que se demitir, por causa de uma série de escândalos envolvendo os seus gastos pessoais com dinheiros públicos. Trump, porém, mantém a sua linha de orientação: poluam à vontade, que isso das mudanças climáticas é uma mentira para prejudicar a economia americana.

Portugal é afetado pelo abandono do Acordo de Paris por parte dos EUA. O que significa que teremos de redobrar esforços para minimizar, tanto quanto possível, os efeitos negativos das alterações climáticas. Bem os sentimos com os trágicos incêndios do ano passado e com a timidez meteorológica do verão em curso. Aliás, como ontem lembrou o ministro do Ambiente, Matos Fernandes, na Renascença, o litoral português é o território europeu que sofre a agressão mais violenta das mudanças climáticas.

Também ontem foram anunciados 11 projetos municipais para reduzir o consumo de água em espaços públicos urbanizados, criar mais espaços verdes nas cidades e recuperar áreas ardidas com espécies resistentes ao fogo. Chega? Claro que não. Daí que se aguarde que o plano nacional de adaptação às alterações climáticas seja rapidamente posto em marcha e, sobretudo, que seja eficaz.

As medidas deste tipo são sempre ingratas de tomar pelos políticos. É que os efeitos dessas medidas, na melhor das hipóteses, demoram anos a obter resultados – nessa altura, quem as tomou já provavelmente não estará no cargo. Por isso o ministro do Ambiente, e com ele todo o governo, terão de abdicar de eleitoralismos e cumprir a sua obrigação ética de proteger os portugueses, mesmo que isso não renda votos nas próximas eleições.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    24 jul, 2018 19:00
    O comentador "António Costa" não tem nem metade da integridade do outro com o mesmo nome.
  • António Costa
    18 jul, 2018 Cacém 09:53
    As alterações climáticas foram sempre reais. As catástrofes climatéricas acompanharam sempre o ser humano. A cólera dos Deuses! Alguma coisa "os homens" tinham feito que tinham deixado os deuses muito zangados! Os conhecimentos científicos, mantidos em segredo por uma pequena minoria privilegiada permitia manter e governar pelo terror uma enorme multidão de escravos. Há mil anos, os vikings que povoaram a Gronelândia não lhe chamaram "terra verde", por acaso. E as alterações climáticas obrigaram os vikings a abandonar o território, um par de séculos depois. Evidentemente que "despejar" na atmosfera o carbono "acumulado" nos combustíveis fósseis faz "mossa". Agora, o clima da Terra é dinâmico e em constante evolução. A "pegada humana" tem evidentemente muita influência, mas não é "A Origem" das alterações climáticas. Estas sempre existiram e vão existir.