A+ / A-

Barcelona e Londres unidas contra especulação imobiliária e “expulsão” de moradores

05 jul, 2018


Autarcas das duas cidades escreveram um artigo conjunto onde defendem que “as propriedades da cidade devem, primeiro, ser casas para as pessoas – não investimentos”.

As presidentes das câmaras de Barcelona e Londres escreveram uma carta conjunta a defender mudanças no setor da habitação e travar a especulação imobiliária e a “expulsão” dos moradores do centro das grandes cidades, um problema que também já se faz sentir em Portugal.

Num artigo de opinião publicado no jornal The Guardian, a catalã Ada Colau e o inglês Sadiq Khan defendem que “as propriedades da cidade devem, primeiro, ser casas para as pessoas – não investimentos”.

“Como autarcas de Londres e Barcelona, vemos uma emergência a chegar. A forma como o alojamento funciona tem que mudar”, defendem.

Ada Colau e Sadiq Khan alertam que os centros urbanos das grandes cidades “correm o risco de serem esvaziados, uma vez que as nossas comunidades vibrantes são deslocadas, as lojas locais fecham e o custo da habitação aumenta exorbitantemente”.

Os autarcas de Barcelona e Londres reclamam mais poderes e recursos para poderem garantir mais casas com rendas sociais e acessíveis e garantir mais direitos aos inquilinos.

“As cidades não são apenas uma coleção de prédios, ruas ou praças. Elas são a soma das suas gentes. São elas que ajudam a construir laços sociais, comunidades e fazem evoluir os locais onde orgulhosamente vivem.”

Habitação. Voltar para casa dos pais depois dos 30 anos
Habitação. Voltar para casa dos pais depois dos 30 anos

Por tudo isto, Ada Colau e Sadiq Khan estão “determinados em mudar a forma como o mercado da habitação funciona” nas suas cidades.

“Estamos a construir mais casas de renda social e outras com rendas genuinamente acessíveis, a fazer tudo o que podemos para reforçar os direitos dos inquilinos e reprimir as más práticas dos senhorios e investidores.”

Os autarcas deixam críticas aos governos centrais, “que parecem felizes por deixaram as cidades ao abandono e entregues ao seu destino”, e pedem mais ação para resolver o problema da habitação nas grandes cidades.

“Só seremos bem-sucedidos se pudermos garantir que todas as pessoas nas nossas cidades têm acesso a uma casa decente, segura e acessível”, concluem os autarcas.

O problema do aumento dos preços das casas para arrendamento e da expulsão dos moradores dos centros da cidade também é sentido em Portugal, nomeadamente em Lisboa e no Porto.

Encontra-se em fase de consulta, até 13 de julho, a proposta do PS para a Lei de Bases da Habitação, a primeira da história da democracia portuguesa.

A requisição temporária de habitações devolutas, a criação de um regime especial de fixação de renda e a atribuição de subsídios de renda para idosos são algumas das medidas do projeto socialista da Lei de Bases da Habitação, apresentado em 19 de abril, da autoria da deputada independente do PS Helena Roseta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.