Em Nome da Lei
O direito e as nossas vidas em debate. Sábado às 12h, com repetição domingo às 0h
A+ / A-
Arquivo
Em Nome da Lei - Concertação social - 23/06/2018
Em Nome da Lei - Concertação social - 23/06/2018
Em Nome da Lei

Presidente da CIP não acredita que PS altere acordo de concertação social

23 jun, 2018


A concertação social foi o tema em debate no Em Nome da Lei deste sábado, onde foram convidados António Saraiva (CIP), Carlos Silva (UGT), Arménio Carlos (CGTP) e Luís Gonçalves da Silva (professor de Direito do Trabalho).

Veja também:


António Saraiva, presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP), acredita que a bancada do PS “não irá alterar as medidas negociadas em sede de concertação social, porque isso seria uma deslealdade com António Costa, que assinou o acordo com os parceiros sociais na dupla qualidade de PM e líder do PS”.

O acordo de concertação social tinha como objetivo combater a precariedade laboral e promover a negociação coletiva. Mas algumas das suas medidas são contestadas, não só pelo PCP e pelo Bloco de Esquerda, como por alguns deputados da bancada socialista.

Uma das medidas em que os deputados do PS poderão mexer, impondo uma cláusula travão que evite abusos da parte das entidades patronais, é o alargamento de 90 para 180 dias o período experimental dos contratos para trabalhadores à procura do primeiro emprego ou para desempregados de longa duração.

No Em Nome da Lei deste sábado, o líder da UGT, Carlos Silva, revela que “não veria com maus olhos essa alteração ao acordo que assinou esta semana em sede de concertação social.”

O alargamento do período experimental é repudiado pela CGTP, que mais uma vez não assinou o acordo de concertação social. Arménio Carlos diz que “a medida em nada combate a precariedade, antes a agrava”.

E quanto à redução de três para dois anos do prazo máximo dos contratos a prazo, considera que “a medida não chega. É preciso controlar se as empresas não despedem no final do prazo, para voltar a contratar. E essa fiscalização, defende, faz-se facilmente junto da segurança social”.

Carlos Silva, o líder da UGT, entende o descontentamento dos partidos da esquerda. Mas explica que” o acordo resulta de um compromisso Todos tiveram de recuar. E o resultado obtido é que pela primeira vez em muitos anos se combatem os contratos a prazo”.

O professor de Direito do Trabalho Luís Gonçalves da Silva considera que “o alargamento do período experimental para os seis meses pode ser chumbado de novo pelo Tribunal Constitucional. E defende que a medida é uma forma de precariedade substitutiva”.

Na opinião de Luís Gonçalves da Silva, o alargamento do período experimental de 90 para 180 dias, dos contratos para os trabalhadores à procura do primeiro emprego ou desempregados de longa duração, é “uma forma de precaridade substitutiva. Os 180 dias, diz, não se justificam”.

Aliás, acrescenta, o Governo podia ter estado quieto. “Melhor do que uma alteração duvidosa, é alteração nenhuma”, defende, considerando que “há demasiadas mexidas na lei laboral”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Manuel Figueiredo
    25 jun, 2018 Póvoa de Varzim 10:35
    Se dúvidas houvessem, basta a opinião do Professor Luís Gonçalves da Silva para atirar por terra as aleivosias dos presidentes da CIP e da UGT. Esperemos que o Governo não ceda, porque sofreria um enxovalho (inconstitucionalidade em causa).
  • Enganados outra vez
    23 jun, 2018 aqui 19:22
    Se com a dita Esquerda no Poder, resultou este travesti de alterações que não altera nada e até o Patronato o defende, o que diz bem da bosta que é este acordo para o comum dos mortais que tem de trabalhar para viver, então o que será um dia quando a Direita estiver no Poder, de mãos dadas com o Patronato? Foi para isto que afastamos o PSD-CDS do Poder?
  • Cidadao
    23 jun, 2018 Portugal 19:16
    Se o Patronato defende esta alteração da Legislação Laboral, então razão têem os que dizem que isto é uma operação de cosmética, para tudo continuar na mesma. A UGT tem um longo cadastro de dar as mãos ao Patronato, por isso nem se percebe como pode intitular-se central Sindical. Estaria melhor a chamar-se "central Patronal". É de desconfiar das opiniões deles.
  • Cidadao
    23 jun, 2018 Portugal 19:04
    Se o Patronato defende esta alteração da Legislação Laboral, então razão têem os que dizem que isto é uma operação de cosmética, para tudo continuar na mesma. A UGT tem um longo cadastro de dar as mãos ao Patronato, por isso nem se percebe como pode intitular-se central Sindical. Estaria melhor a chamar-se "central Patronal". É de desconfiar das opiniões deles.