Da Capa à Contracapa
Os grandes temas da actualidade em debate aos sábados, às 9h30. Uma parceria da Renascença com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.
A+ / A-
Arquivo
Da Capa à Contracapa - Violência doméstica - 3/03/2018
Da Capa à Contracapa - Violência doméstica - 3/03/2018

Da Capa à Contracapa

Violência doméstica

03 mar, 2018


Ao balanço trágico das mortes por violência doméstica, ao desfiar das denúncias e das emergências que obrigam a salvar mulheres desse destino, juntam-se reflexões sobre a forma como o sistema judicial e policial está montado para prevenir estas situações.

A poucos dias do Dia internacional da Mulher, no próximo dia 8, olhamos para um crime geralmente cometido contra mulheres. A violência doméstica tem sido tema recorrente nos últimos meses.

Ao balanço trágico das mortes, ao desfiar das denúncias e das emergências que obrigam a salvar mulheres desse destino, juntaram-se reflexões sobre a forma como o sistema judicial e policial está montado para prevenir estas situações.

São convidados deste programa Carla Maia de Almeida, jornalista, autora do livro " Em nome da Filha", editado pela Fundação Francisco Manuel dos Santos, com relatos de mulheres vitimas de violência doméstica. E também Rui do Carmo, Procurador da República jubilado, coordenador da equipa de análise retrospectiva de homicídio em violência doméstica.

O Da Capa à Contracapa é um programa de debate sobre a actualidade, a sociedade e a realidade portuguesa, em parceria com a Fundação Francisco Manuel dos Santos.

Para ouvir na Renascença ao sábado de manhã ou a qualquer hora, em podcast.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Verdade
    05 mar, 2018 Guarda 00:05
    A violência impera tanto na síria como em Portugal, impera no mundo inteiro, violência é feita por gente MUITO COVARDE, GENTE IGNORANTE DE CARÁCTER PRINCIPIOS SÓ PENSAM EM PODER EM SUBJUGAR OS MAIS FRACOS Á MISÉRIA HUMANA, GENTE SEM CONSCIÊNCIA, GENTE SEM AMOR PELO PRÓXIMO. LAMENTO ESTE ORGANISMO CRIADO Á PRESSA PARA TAPAR OS ERROS DE JUIZES SOBRE A VIOLÊNCIA. COMO ESTE JUIZ JOÃO ALBERTO SARAIVA DAQUI DO TRIBUNAL DA GUARDA, QUE VIOLOU MALTRATOU MENTE DESCARADAMENTE, MANIPULADOR CORRUPTO , DÁ SENTENÇAS, E ESTE ORGANISMO ESTÁ A FINAL A FAZER O QUÊ???? Porque não investiga? ESTE juiz TERMINOU COM A VIDA DE UMA MULHER...
  • Anónimo
    04 mar, 2018 22:26
    Gouta: misógino que está a lixar-se para as mulheres sírias usando-as como pretexto para atacar as mulheres portuguesas.
  • Gouta
    03 mar, 2018 lisboa 14:13
    O que se passa na Siria com mulheres é muito mais grave ou não?Tenham coragem e vao debaixo de fogo real verificar .Impera a cobardia?Ou vao mesmo dar o corpo ás balas para descobrir verdades?