Opinião de José Luís Ramos Pinheiro
A+ / A-

Que estranho furacão

15 out, 2018 • Opinião de José Luís Ramos Pinheiro


Para além da tempestade "Leslie", Portugal viveu nos últimos dias o furacão político da remodelação.

Atormentado pelo caso de Tancos que conduziu à demissão do ministro da Defesa, António Costa virou o jogo. Fez quatro alterações ministeriais. Deu muito que falar e pensar aos comentadores. No imediato, ganhou a batalha da comunicação.

A remodelação parece ter amainado o temporal político de Tancos. Por enquanto. As conclusões da Justiça dirão se Tancos obrigará ainda a outras consequências políticas.

Claro que o refrescamento deste ou de qualquer governo é compreensível. Por vezes indispensável. Mas o momento da remodelação é bizarro. Em cima da discussão do Orçamento do Estado?

Se o primeiro-ministro se chamasse Passos Coelho, por exemplo, a mesma decisão seria interpretada como fraqueza. Mas os créditos políticos de António Costa permitem transformá-la em fortaleza?

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.