Opinião de Eunice Lourenço
A+ / A-

​A pressa de Montenegro

11 jan, 2019 • Opinião de Eunice Lourenço


Ex-líder parlamentar tenta derrubar Rui Rio, mas não conseguirá juntar todos os descontentes.

Rui Rio foi eleito líder do PSD há um ano nas diretas de 13 de Janeiro e iniciou de facto funções depois do Congresso de 16, 17 e 18 de fevereiro. Num ano não conseguiu nem unir o partido, nem mobilizar o eleitorado. Revelou uma impreparação imensa para o cargo mais difícil da política: ser líder da oposição.

Mostrou arrogância em relação ao seu próprio grupo parlamentar, desprezo por colegas de partido, indiferença a regras básicas de comunicação, incoerência entre o que diz e o que faz. Esperava-se, naturalmente, mais de alguém que, há anos, preparava este momento.

Rui Rio merece, pois, tudo o que lhe está a acontecer e que tinha obrigação de saber que ia acontecer. Mas também por isso merece ir a votos. A votos dos portugueses. Para que não fique para sempre como um injustiçado pelos seus próprios colegas de partido, para que não fique pelo que podia ter sido, mas foi impedido de ser.

Luís Montenegro tinha deixado bem claro no congresso do ano passado a vontade de, um dia, disputar a liderança do PSD. Mas não quis ir a votos há um ano, num exercício de calculismo de quem acha que as próximas eleições legislativas são ainda para perder e depois é que será o tempo de reconquistar o poder ao PS. O tempo de Montenegro seria, pois, o pós-legislativas de 2019, apostando numa derrota do PSD que teria de levar a uma saída de Rui Rio.

Porquê, então, agora a pressa?, como perguntaria António José Seguro, que foi vitima de uma pressa semelhante de António Costa.

A explicação que tanto apoiantes como críticos de Rio avançam é de ordem interna. Não é a nobre preocupação de achar que o PSD vai ter um péssimo resultado eleitoral e que é preciso ainda tentar evitar. É a comezinha preocupação de quem vai entrar ou não nas listas de candidatos a deputados. É gestão de podres internos, de cargos no aparelho, de lugares no Parlamento. O aparelho não apoiante de Rio e que não conhece outra vida percebeu que seria corrido das listas e que depois poderia perder os próprios lugares nas distritais e pressionou o candidato a avançar para um desafio ao líder para convocar eleições diretas.

E Montenegro, que também não tem outra vida, lá avança, empurrado pelo aparelho ou autoconvencido de que pode ser Costa, ignorando as diferenças de currículo e experiência e de circunstâncias. Não percebendo que ainda merece menos o PSD do que Rui Rio. E que, a julgar pelos sinais já dados, nem os descontentes conseguirá juntar.

Quase de imediato saltou outro candidato: Miguel Morgado, um professor universitário que entrou para a política com Passos Coelho, bom tribuno, deputado, mas que nem o próprio partido conhece.

Pedro Duarte, que também já se tinha posicionado para o pós-Rio, achará que ainda não é o seu momento. Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara de Cascais também com ambições a longo prazo, já disse que não lhe parece o momento certo e que não irá contribuir em nada para derrubar o líder em funções. Pedro Santana Lopes já saiu, desbaratando os seus 46 por cento nas diretas de há um ano. Mas um dos seus apoiantes e diretor de campanha – João Montenegro, que negociou a lista conjunta para o Conselho Nacional, eleita no Congresso – também já veio dizer que lhe parece um erro uma tentativa de destituição de Rui Rio a três meses de eleições.

O PSD entra, assim, em mais intensa convulsão interna num intenso ano eleitoral, á beira de umas eleições para o Parlamento Europeu. Mas esta não é uma situação estranha ao partido que, como gostam de dizer os seus militantes, para o bem e para o mal é o mais português dos partidos. Como dizia ontem um antigo deputado, “o PSD está um bocadinho como o Sporting, mas se até o Sporting aguenta, o PSD também vai aguentar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Diogo Pinto
    13 jan, 2019 Resende 22:15
    Não conheço ninguém . Mas dra. parece-lhe que Portugal , referindo-me aos seus habitantes conseguirá viver num governo Rui RIo ! Repare nas dificuldades . As politicas ( repito , não conheço ninguém ) da geringonça são tão incrédulas , tão despropositadas e , então , se eu penso isto , serei eu o único . Então se não , o fanatismo do médio oriente colou-se á Portugal e o PS será o eterno partido do poder . Fugindo um bocadinho do assunto , acredito que se as gerações de 90's e 00' precisam de uma ajuda muito forte , caso contrario Portugal , á curto prazo será á Venezuela da Europa . Estamos , quanto á mim , á viver um momento perigosíssimo . Rui Rio foi , para mim , um alivio , algo em que eu acredito , que me diz que Portugal e o que realmente é . Infelizmente todos passamos por dificuldades , todos … mas Portugal precisa de ajuda e o dinheiro poderá não conseguir dar á ajuda á que eu me refiro . Boa noite dra.
  • Sacramento
    13 jan, 2019 queluz 21:05
    É complexo comentar todas as vertentes e explicaçoes mas quem provocou a situação foi RUI RIO um ser inerte numa geração do click cibernético.jamais a politica e os políticos vao ter a complacencia dos partidários e votantes a reatividade tem q ser imediata e acertva isto não fez RIO o analógico e portanto sem espaço na POLITICA dos clicks.Tudo mudou c Trump tudo tem twitter ,blogs ,youtubes etc.Quem desilude é morto.Os tempos q vêm exigem ação ,rapidez e racionalidade,o resto não vingará.A meritrocacia exposta será quem atrairá votos.
  • César Augusto Saraiva
    12 jan, 2019 Maia 12:55
    Ai aguenta, aguenta!... E depois é só fazer a limpeza que em tempos fez o Sá Carneiro...
  • 11 jan, 2019 12:31
    Estou a ficar preocupada com as nuances "da comunicacao social!