Tempo
|
Depois não diga que não sabia
Vai para o ar ao domingo, no início de cada mês. Neste programa, emitido entre as 13h00 e as 14h00, poderá ouvir os destaques mensais do Centro Cultural de Belém (CCB).
A+ / A-
Arquivo
Depois Não Diga que Não Sabia - Maio 2021
Depois Não Diga que Não Sabia - Maio 2021

Depois não diga que não sabia

“A maior rede social do mundo é a comida”. Saiba porquê em maio, no CCB

02 mai, 2021 • Maria João Costa


Tem vontade de ouvir um concerto ou ver um espetáculo de dança? A Renascença apresenta-lhe várias sugestões, num cardápio que este mês se revela cheio de sabores e ingredientes.

Música

Há um novo ciclo de música para ouvir no CCB. “Afinar” é um ciclo de música de câmara que, neste mês de maio, vai levar ao palco do Pequeno Auditório um concerto que merece ser visto e ouvido.

“Está agora a afinar o regresso”, explica o programador de música erudita do CCB, André Cunha Leal, para quem é necessária “uma sensibilização para esta música mais intimista” e “atentos a este universo”.

No domingo, dia 16, o cravista norte-americano Keneth Weiss regressa ao CCB para apresentar uma das obras-primas de Johann Sebastian Bach, a inacabada “Arte da Fuga BWV 1080”, que o compositor alemão escreveu na sua última década de vida.

E o músico – um dos cravistas mais conhecidos da atualidade – vai tocar num cravo muito especial: “um cravo emprestado pelo Museu Nacional da Música no âmbito de fazer circular estes instrumentos, que são tesouros nacionais”, explica André Cunha Leal.

Este testamento musical de Bach será interpretado por Keneth Weiss, que aproveitou a pandemia para trabalhar, quase ao ponto da obsessão, a peça única que vai interpretar no Centro Cultural de Belém.

Sendo a Arte da Fuga uma peça inacabada, fica a incógnita: como será que Keneth Weiss vai acabar o espetáculo?

Se quiser saber, assista ao concerto de dia 16, às 11h00, no Pequeno Auditório.

Se gosta mais de coros, o Coro do Teatro Nacional de São Carlos e a Orquestra Sinfónica Portuguesa tocam no Grande Auditório no dia 9 de maio, às 11h00.

A Paixão de Simone” é um espetáculo com música de Kaija Saariaho, a compositora finlandesa que se inspirou para esta obra na vida de Simone Weil.

O espetáculo conta com a soprano Susana Gaspar e coreografia e interpretação Miguel Ramalho. A direção musical é da maestrina Joana Carneiro.

Antes, nos dias 6 e 7, o Grande Auditório recebe Fausto Bordalo Dias, a partir das 19h00, para dois concertos de retrospetiva da carreira artística do intérprete.

Se preferir outro género de música, no dia 14 de maio, o Pequeno Auditório recebe o Rafael Toral: Space Quartet, às 19h00. A promessa é de diálogo entre a música eletrónica dialoga e o jazz.

Dança

O bailarino e coreógrafo Luís Marrafa apresenta-se no palco do CCB nos dias 12 e 13 de maio, a partir das 19h00.

“Ghost” é o espetáculo que apresenta no âmbito do Festival Temps d’Images. O solo, que vai ser apresentado no Pequeno Auditório, nasce como outros trabalhos seus a partir da sua própria biografia.

“Ghost” tem, além de música original de Luís Marrafa, um lado muito pessoal na história que conta. É uma coreografia que vai aos fantasmas do passado, em que o bailarino revisita a memória do pai que perdeu quando ainda era criança.

Agora que chegou à idade que o pai tinha quando morreu, o coreógrafo criou este espetáculo. Como conselheiro artístico, teve um dos mais conceituados coreógrafos da atualidade: o belga Alain Platel, da Companhia les ballets C de la B.

O espetáculo, inspirado na vida e nos seus acontecimentos, tem a duração de 50 minutos.

Mas… e comida?

“A maior rede social do mundo é a comida” é a frase que motiva um ciclo de conversas em torno da arte da gastronomia, pensado por Fortunato da Câmara, crítico gastronómico.

Foi Ferran Adrià, chef de cozinha catalão, que utilizou aquela frase. “De facto, a comida une todos os povos e a ideia deste ciclo é demonstrar que nos vários aspetos da gastronomia estamos mais unidos do que aquilo que pensamos”, explica o crítico.

“O Gosto dos Outros” é o nome do ciclo dedicado à gastronomia, sob o auspício da frase de Ferran Adriá. São 5 sessões para abrir o apetite, que vão decorrer na Sala Ribeiro da Fonte, aberta para o jardim e a olhar o Rio Tejo.

A primeira sessão decorre já nesta segunda-feira, dia 3, a partir das 18h30, e será sobre o sabor e o gosto.

Depois desta, haverá mais quatro viagens gastronómicas nos dias 10, 17, 24 e 31 maio, sempre às segundas-feiras, às 18h30.

O vinho, o cacau, as sementes são alguns dos ingredientes sobre os quais se poderá deliciar nestas conversas.

História de Viva Voz

Em maio, poderá ainda ouvir no CCB a História de viva voz. Raquel Varela convocou para a conversa, no dia 16, o fotógrafo Eduardo Gageiro para na Sala Ribeiro da Fonte. A partir das 16h, o fotógrafo vai desfiar memórias da história que viu através da sua máquina fotográfica.

São muitas as razões para sair de casa, sempre na companhia da máscara, e ir até ao Centro Cultural de Belém. Depois Não Diga que Não Sabia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.