Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Entrevista ao Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas - 18/07/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Entrevista ao Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas - 18/07/2019

J. Taborda da Gama

Falta de militares resolve-se com “dinheiro e bom ambiente”

18 jul, 2019 • Miguel Coelho com Redação


Comentadores da Renascença discutem a entrevista ao Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, na qual o almirante Silva Ribeiro alerta para o problema da falta de militares. Socialista Fernando Medina rejeita que a solução passe pelo regresso do serviço militar obrigatório.

O professor universitário João Taborda da Gama considera que a solução para a falta de efetivos nas Forças Armadas passa por saber atrair e reter os que por lá passam.

Taborda da Gama considera que “dinheiro e bom ambiente” são as condições necessárias para ajudar a resolver o problema.

“As pessoas são incentivadas por coisas muito normais, como dinheiro e bom ambiente. Isso é que tem de ser feito”, sublinha.

Os comentadores da Renascença discutem assim a entrevista ao Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, na qual o almirante Silva Ribeiro alerta para a situação insustentável que o setor vive.

Também o socialista Fernando Medina considera que “deve haver uma correção” nas carreiras militares de forma a impedir que haja uma fuga de efetivos quando abrem concursos, por exemplo, para a GNR. O presidente da Câmara de Lisboa afasta ainda por completo a ideia do regresso do Serviço Militar Obrigatório.

“Na minha opinião, não é a solução. O pais abandonou esse modelo há mais de 20 anos e bem”, remata Medina.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.