|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e quintas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Habitação em Lisboa - 05/12/2019
Fernando Medina e João Taborda da Gama - Habitação em Lisboa - 05/12/2019

​Habitação “é principal preocupação e prioridade” em Lisboa

05 dez, 2019 • Anabela Góis , Cristina Nascimento


Presidente da Câmara de Lisboa garante que medida está prevista na nova Lei de Bases da Habitação.

O comentador da Renascença e presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, garante que a habitação é a “principal preocupação e prioridade” da autarquia.

“A situação do mercado da habitação é hoje, de longe, a principal preocupação e principal prioridade de ação do executivo na cidade de Lisboa e também, naturalmente, terá que o ser no Governo”, disse Medina no espaço de debate do programa “As Três da Manhã”.

O autarca explica que “os preços estão a aumentar muito há muitos anos e estão a tornar impossível para muitos segmentos das classes médias baixas, das classes médias e até segmentos de classes médias altas poderem ter habitação em Lisboa”.

Medina adiantou ainda que os privados vão ser chamados a contribuir para o mercado de habitação com preços controlados.

De acordo com um relatório da agência de notação financeira Moody's, os preços das casas em Portugal vão aumentar 4% em 2020.

Sobre os problemas da habitação, João Taborda da Gama lembra que “nem toda a gente consegue ter sempre as casas que quer, mas o que se vive hoje é algo que é muito diferente do que se vivia há poucos anos e que gera uma fricção social forte que tem de ser resolvida ou pelo menos tem de ser acautelada pelos decisores públicos”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.