Tempo
|
Fernando Medina-João Taborda da Gama
O presidente da Câmara de Lisboa e um professor universitário (especialista em direito fiscal) a viver na capital olham para os principais temas da atualidade. Às terças e sextas, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Covid-19. Números têm sido “muito constantes” em Lisboa
Covid-19. Números têm sido “muito constantes” em Lisboa

Fernando Medina

Covid-19. Números têm sido “muito constantes” em Lisboa

10 jul, 2020 • Redação


No habitual espaço de comentário na Renascença, Fernando Medina destaca a evolução da pandemia e a adaptação de estratégias a nível internacional.

Para o presidente da Câmara de Lisboa, a situação da Covid-19 na Grande Lisboa “está marcada pela manutenção de novos casos a níveis altos, face àquilo que se gostaría que estivesse”.

“É muito constante. Há várias semanas que estamos a falar de cerca de 300 novos casos diários. Os números não têm subido, mas também não têm descido”, remata.

João Taborda da Gama considera importante referir o facto de se “ter começado a falar, com cada vez mais insistência, no Bloco Central ou no medo de que haja um Bloco Central”.

“É relevante em termos de aprovações legislativas e em termos de concertação de posições. Já percebemos que o PCP tem sido muito vocal contra isso.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José J C Cruz Pinto
    10 jul, 2020 Ílhavo 16:47
    Não há ninguém que ponha um pouco de ordem nesta aritmética de cegos? Por favor, ponham-lhes a curva contínua do total de infectados à frente (normalmente representada a azul nos gráficos), e peçam-lhes que expliquem o seu declive crescente desde meados de Maio, e que a comparem com a mesma curva entre fins de Março e o princípio de Maio! Arre!