Casa Comum
Paulo Rangel e Fernando Medina debatem a política nacional e europeia. Quarta às 12h
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum - A polémica taxa de Proteção Civil- 14/11/2018
Casa Comum - A polémica taxa de Proteção Civil- 14/11/2018
​Casa Comum

Medina aprova taxa para defender Proteção Civil dos ciclos políticos

14 nov, 2018


O “esboço de acordo final” para o Brexit foi outro dos temas do programa Casa Comum desta semana, com Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, e Paulo Rangel, eurodeputado do PSD.

Uma possível coligação de esquerda e direita contra o Governo sobre a taxa de Proteção Civil e o descongelamento a carreira dos professores e os desafios que ainda permanecem apesar do “esboço de acordo final” para o Brexit foram temas em destaque no programa Casa Comum desta semana, com Fernando Medina, presidente da Câmara de Lisboa, e Paulo Rangel, eurodeputado do PSD.

O autarca socialista considera que a taxa de Proteção Civil, que está prevista no Orçamento do Estado para 2019, é uma medida fundamental, porque “temos que investir fortemente no investimento da Proteção Civil”.

“Sempre defendi a taxa, não é pelo aumento da receita, é a questão da consignação, porque precisamos de ter uma receita e tornar o sistema de Proteção Civil mais recursos à flutuação dos ciclos políticos”, argumenta.

Paulo Rangel fala numa taxa “injusta” e não aceita o que apelida de “mais um imposto sobre o IMI”.

“As políticas de Proteção Civil, tem que ser o Estado e os municípios a fazê-las, com o orçamento que têm. A segurança é um bem inestimável e uma função primária do Estado, por isso mesmo, não precisa de um financiamento extra. O Governo que faça uma gestão diferente”, argumenta o eurodeputado.

Sobre os mais recentes desenvolvimentos no Brexit, Paulo Rangel afirma que convencer os seus ministros do entendimento alcançado com a União Europeia para o divórcio amigável é apenas a primeira batalha da primeira-ministra britânica, Theresa May.

Fernando Medina também se mostrou muito cauteloso com as notícias das últimas horas,

a começar pelo facto de se tratar de um documento ainda desconhecido.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.