Casa Comum
Paulo Rangel e Fernando Medina debatem a política nacional e europeia. Quarta às 12h
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum - Luta pelo poder no PSD - 16/01/2019
Casa Comum - Luta pelo poder no PSD - 16/01/2019
​Casa Comum

Desafio a Rui Rio é "extemporâneo e um pouco irresponsável"

17 jan, 2019 • Redação


A luta pelo poder no PSD e o chumbo do acordo para o Brexit pelos deputados britânicos foram temas em destaque no Conselho de Diretores desta semana, com o socialista Fernando Medina e o social-democrata Paulo Rangel.

Em relação ao Conselho Nacional do PSD, marcado para esta quinta-feira, Paulo Rangel não arrisca fazer um prognóstico sobre se a moção de confiança apresentada pelo líder Rui Rio vai ser aprovada.

“Eu acho que se vai haver uma moção de confiança e se vai haver um debate, eu não dou o resultado do debate definido à partida. Até admito que, muitas pessoas, tenham uma inclinação num certo sentido e possam, em função da discussão, dos argumentos, até do desempenho dos vários intervenientes virem maturar a sua posição e, alguns, até mudar a sua posição num sentido ou noutro”, admite o eurodeputado.

Paulo Rangel considera que o timing do desafio de Luís Montenegro a Rui Rio “é mau para o PSD”, esperando que os conselheiros participem e votem pelos interesses do partido.

"Considero que esta atitude é extemporânea, um pouco irresponsável. Não é só uma questão de princípio, é uma questão de oportunidade. Estamos em pleno período pré-eleitoral e isto cria uma grande convulsão e comoção", sublinha.

Já o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, entende o desafio de Luís Montenegro – que defendeu a convocação de diretas já - como uma antecipação a um eventual regresso de Pedro Passos Coelho.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.