Casa Comum
Paulo Rangel e Francisco Assis debatem a política nacional e europeia. Quarta às 13h.
A+ / A-
Arquivo
Casa Comum - Geringonça acabou no domingo eleitoral e novo Governo é "muito António Costa" - 16/10/2019
Casa Comum - Geringonça acabou no domingo eleitoral e novo Governo é "muito António Costa" - 16/10/2019

Casa Comum

"A geringonça acabou no domingo eleitoral e não com a divergência com o Bloco"

16 out, 2019 • José Pedro Frazão


No Casa Comum desta semana, o socialista Francisco Assis não poupa críticas ao novo Governo apresentado por António Costa. Já Paulo Rangel aponta a mira à falta de renovação.

"A 'geringonça' não foi mais do que um expediente do PS para superar uma derrota eleitoral e acabou no domingo eleitoral, não com a divergência com o Bloco de Esquerda." Quem o defende é Francisco Assis, o ex-eurodeputado socialista que não poupa críticas ao novo executivo que António Costa apresentou na terça-feira ao Presidente da República.

Neste episódio do programa "Casa Comum" da Renascença, Assis e o social-democrata Paulo Rangel não poupam críticas ao novo Governo, ainda que por vias diferentes.

Para o socialista, o importante, agora, é que o partido "mantenha a capacidade de falar à esquerda e à direita" e que se ponha fim ao "discurso inaceitável no PS de demonização da direita".

Já Rangel diz que "não se justifica" o aumento do número de ministros, que de acordo com os planos de Costa farão deste o Governo com maior número de partidos desde 1976.

"Sou contra modelos minimalistas como Passos Coelho tentou, mas ter 19 ministros é para contentar as capelinhas do PS", critica o eurodeputado do PSD. "Pior" que isso, acrescenta, "é não haver renovação". "Marta Temido é uma ministra desacreditada, o ministro da Educação foi medíocre e também tenho reservas sobre a ministra da Administração Pública."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.