Opinião de Luís António Santos
A+ / A-

O irmão e a amiga do Sr. Presidente...

08 jan, 2019 • Opinião de Luís António Santos


Marcelo Rebelo de Sousa (ou alguém na sua muito profissional equipa de apoio) devia já ter percebido que a presença constante nos média dilui as mensagens importantes num mar de espuma sem sentido.

Na sequência da tomada de posse de Jair Bolsonaro, no Brasil, Marcelo Rebelo de Sousa falou aos jornalistas nestes termos: “Como disse e como disse o Presidente Bolsonaro, era uma reunião entre irmãos, e entre irmãos o que se diz diz-se rápido, como em família, e há uma empatia natural entre povos que facilita fazer passar a mensagem.”

Ontem mesmo, na estreia de um programa televisivo da manhã num canal privado, Marcelo telefonou à apresentadora e disse: “"Está? Daqui é Marcelo Rebelo de Sousa. Interrompi aqui uma reunião que tinha e espreitei para ver o seu primeiro programa e, como ao longo da vida, estive várias vezes consigo quando arrancou com novas fases da sua vida, queria desejar-lhe muitas felicidades e enviar-lhe um beijinho".

Num e noutro episódios o Presidente da República Portuguesa pareceu comportar-se como um cidadão sem responsabilidades de representatividade. No primeiro, exibiu proximidade a mais num enquadramento em que a diplomacia (até pela excecionalidade da sua deslocação) aconselharia muito mais prudência e no segundo confundiu deliberadamente o universo de relações pessoais com o exercício da sua função.

Foi com alívio que a maioria dos portugueses percebeu no novo ocupante do mais alto cargo político uma postura completamente diferente da do seu antecessor. E foi com um olhar benevolente e carinhoso que, na generalidade, lhe foram aplaudindo gestos de genuíno afeto ou de intervenção veemente (como parece ser a sua vontade de contrariar a normalização do problema dos sem-abrigo).

Mas Marcelo Rebelo de Sousa (ou alguém na sua muito profissional equipa de apoio) devia já ter percebido que a presença constante nos média aumenta o risco de ocorrência de episódios como estes – dilui as mensagens importantes num mar de espuma sem sentido.
Embora se possa argumentar – com razão – que o estilo da atual presidência assenta, em larga medida, numa personalização do cargo e, por arrastamento, numa maior visibilidade das marcas dessa mesma personalidade talvez esteja na altura de se começarem a levantar sinais de aviso. Não queremos um presidente ‘mudo e quedo’ mas também não queremos um presidente que, num dia, se mostra muito preocupado com as pulsões populistas dos partidos políticos e que, noutro dia, está a ligar a um programa de TV para desejar ‘muitas felicidades’ a uma amiga.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Augusto Saraiva
    09 jan, 2019 Maia 11:26
    Coisa muito feia; A INVEJA!...
  • De mau a pior!
    09 jan, 2019 Setubal 09:02
    O problema é quando só vemos problemas nos outros e só os outros é que devem ser correctos. Disse: Marcelo Rebelo de Sousa (ou alguém na sua muito profissional equipa de apoio) devia já ter percebido que a presença constante nos média dilui as mensagens importantes num mar de espuma sem sentido. Pois eu digo: A comunicação social publica tanto "lixo", tudo o que tem pouco ou nenhum interesse, diversões, "circo", que depois temos dificuldade em encontrar o que é importante. Penso que o verdadeiro problema é que queriam que Marcelo Rebelo de Sousa também ligasse para os vossos programas.