Opinião de Manuel Pinto
A+ / A-

Sobre a “situação de emergência” nos media (2): o que faz falta

17 dez, 2018 • Opinião de Manuel Pinto


Está na hora de articular e dar força a estas dimensões, através de políticas públicas de educação, comunicação e cultura, com visão e espírito inovador.

Tudo o que possa ser feito para incentivar o contacto da população, especialmente dos jovens, com o jornalismo regional e local promove o direito constitucional à informação e desenvolve a consciência do país e das suas realidades específicas que actualmente está comprometida. Direta e indiretamente pode também contribuir para atenuar as dificuldades das empresas jornalísticas e de comunicação social.

Esta é uma trave-mestra da resposta que pode e deve merecer o alerta recente do presidente da República sobre a “situação de emergência na generalidade dos media”. Mas não está tudo por fazer.

Em março de 2011, a Universidade do Minho entregou ao então Gabinete para os Meios de Comunicação Social um volumoso estudo intitulado “Avaliação da Política de Incentivo à Leitura”, solicitado pelo próprio Gabinete, em que se mostrava como o Estado atua com a imprensa regional como se ela “não prestasse um relevante e insubstituível serviço público (como, noutro plano, o faz a televisão e a rádio)”, além de não respeitar compromissos e contratos com ela assumidos.

Nesse estudo teve-se muito em conta algo que era ali frisado por uma conhecida especialista nestas áreas, Teresa Calçada, hoje Comissária do Plano Nacional de Leitura, quando afirmava, que “a leitura dos periódicos é uma passerelle para outras leituras.” Por isso, salientava ela, quando os estabelecimentos de ensino são incentivados a disponibilizar assinaturas em papel e/ou online deste tipo de publicações, “uma publicação puxa outra”, podendo os jovens ser interpelados pelo professor-bibliotecário, que os desperta para outras leituras.

Nesse estudo reviam-se medidas como a distribuição e disponibilização regular das publicações em redes de bibliotecas (escolares, municipais, comunitárias, associativas); apoio directo às assinaturas, a exemplo daquilo que acontece já noutros países; apoio a iniciativas e projetos focados na promoção e dinamização da leitura, envolvendo a Rede de Bibliotecas Escolares ou a Rede de Leitura Pública. Recomendava-se uma efectiva articulação entre este trabalho e as iniciativas e projetos de literacia mediática que se encontravam, então em fase de relançamento e que ganharam, entretanto, maior visibilidade e urgência, com as redes sociais e a desinformação a elas associada. As recomendações de 2011 mantêm, em boa medida, a sua atualidade, salvaguardando que o contexto privilegiado é cada vez mais o das plataformas e redes digitais.

Está na hora de articular e dar força a estas dimensões, através de políticas públicas de educação, comunicação e cultura, com visão e espírito inovador. Os media, as escolas e as bibliotecas (escolares e comunitárias) são parceiros insubstituíveis nesse caminho que uma cidadania ativa exige e que está em boa parte por fazer.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • De mau a pior!
    17 dez, 2018 Setubal 18:52
    Os media é que são o problema pois violam gravemente o direito constitucional à informação. Eles deixaram de informar e passaram a divertir! Ou seja em vez de jornalistas temos palhaços!