Tempo
|
Autárquicas 2021
35,32%
143Câmaras
13,65%
70Câmaras
11,15%
29Câmaras
8,07%
18Câmaras
5,58%
18Câmaras
4,13%
0Câmaras
2,66%
0Câmaras
1,52%
5Câmaras
1,2%
0Câmaras
12,58%
11Câmaras
  • Freguesias apuradas: 3063 de 3092
  • Abstenção: 46,20%
  • Votos Nulos: 1,60%
  • Votos em Branco: 2,52%

Henrique Raposo
Opinião de Henrique Raposo
A+ / A-

Nem ateu nem fariseu

Não são as mulheres que não querem ter filhos

25 jun, 2021 • Opinião de Henrique Raposo


Olhem por favor para aquilo que se passou durante a pandemia: todos os estudos e reportagens indicam uma sobrecarga das mulheres e não dos homens. A pauta é esta: as mulheres e mães estão esgotadas.

Em Portugal ou nos EUA, a pandemia teve um efeito demográfico: a natalidade baixou. Estamos a ter ainda menos filhos. Ora, cá ou lá, quando se aborda este tema, a culpa acaba sempre no colo das mulheres; é como se elas fossem as únicas responsáveis pelo inverno demográfico; é como se os filhos fossem um assunto exclusivo do universo feminino. Lê-se e ouve-se, 'As mulheres não estão a ter filhos’, ‘Elas não querem ter filhos’, ‘Elas colocam a carreira à frente da família’.

Peço imensa desculpa, mas tenho de perguntar: as mulheres têm filhos sozinhas? Porque é que não se fala dos homens? Até porque eu acho que a responsabilidade central deste problema está nos homens; está incapacidade masculina para assumir responsabilidades domésticas de cuidador de filhos. Não, o problema não está nas mulheres; está nos homens que recusam partilhar o fardo doméstico que é criar crianças. Quem é que assume o papel de cuidador de velhos acamados? Quase sempre elas. Quem é que assume o papel de cuidador dos filhos pequenos? Quase sempre elas.

Olhem por favor para aquilo que se passou durante a pandemia: todos os estudos e reportagens indicam uma sobrecarga das mulheres e não dos homens. Claro que há homens que são excepções, mas esses homens são desvios do padrão, notas desafinadas da pauta. E a pauta é esta: as mulheres e mães estão esgotadas porque a tripla acumulação de tarefas (lida da casa, aulas dos miúdos e a profissão) foi uma realidade sobretudo feminina e não masculina. Não me esqueço de um dos primeiros indicadores logo do início da pandemia: os investigadores académicos homens mantiveram o seu ritmo de entrega de papers; o ritmo das investigadores mulheres baixou logo antes do verão de 2020.

Através da pandemia, as jovens mulheres na idade certa para a maternidade perceberam de forma ainda mais clara uma triste evidência civilizacional: eles não querem assumir responsabilidades domésticas com os filhos, isto é, até não se importam de ter filhos mas querem que sejam elas a cuidar da criançada; não querem abdicar ou desacelerar a carreira em nome da família. Tendo em conta este perfil masculino, a jovem mulher está a fazer um cálculo óbvio: 'só tenho filhos com um homem que partilhe comigo o fardo que é criar uma criança; eu não posso ser a única a perder dias de trabalho para ficar com o bebé/criança doente em casa'.

Antes, durante e depois da pandemia, é esta a grande causa do inverno demográfico: o homem não quer partilhar com a mulher o fardo doméstico que é criar filhos; não quer ficar em casa nos dias em que o bebé tem febre, porque considera indigno que o papel de cuidador doméstico se sobreponha à carreira profissional. E porque percebe que criar um filho é um trabalho muitíssimo mais cansativo e exigente do que qualquer carreira profissional. Desta forma, lá vai encontrando desculpas esfarrapadas na biologia ou na cultura para se esquivar ao papel de cuidador.

Enquanto não desviarmos o foco das mulheres para os homens, vamos continuar a não compreender este problema. As mulheres de 2021 estão com a cabeça em 2021. Os homens de 2021 estão com a cabeça em 1980 ou mesmo 1950, ainda não se adaptaram à emancipação feminina e às consequências dessa emancipação no conceito de família.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Débora Baptista
    28 jun, 2021 Almada 06:54
    Bom dia Finalmente um artigo real e claro ..sem preconceitos sexistas mas que traduz a realidade da nossa sociedade da nossa cultura que tantos que com medo ou com falta de coragem tem a frontalidade de expor os que os estudos sociológicos confirmam. Obrigado pelo artigo Não feminista mas mulher Débora Baptista
  • Ivo Pestana
    26 jun, 2021 Funchal 12:28
    A economia não deixa, nem todos têm os rendimentos do Henrique.
  • Fr
    26 jun, 2021 Leiria 12:25
    Não quero ter uma criança para ter a vida que eu tenho de ser um escravo qualificado para o trio patrão-governo-senhorios que se juntam para pagar o mínimo e cobrar o máximo de quem não herdou nada. Nasci pobre, não foi culpa minha, mas o meu filho não nasce pobre. Mandem vir imigrantes se querem salvar o país, mas não às custas dos do mesmo sangue que eu. Não vos devo nada. Não tenham filhos se vão ser escravos, moralmente é errado.
  • Fr
    26 jun, 2021 Leiria 12:18
    Ter filho é para ricos. Quem não tem pais ricos, não é com estudos nem com trabalho que vai lá. Sou prova disso. É preciso herdar ou esquecer isso.
  • Bruno
    25 jun, 2021 aqui 05:59
    Existe uma razão para a qual um homem produz milhões de gametas por segundo ao passo que as mulheres apenas são férteis durante cinco dias por mês. A biologia dos seres humanos está sempre presente em plano de fundo por mais sofisticada e vanguardista que pareça uma sociedade. A civilização nada mais é do que uma luta do Homem contra a Natureza, em participar contra a sua própria natureza.