Tempo
|
A+ / A-

A arte de rua chega a aldeias de Bragança

16 jun, 2021 - 09:10 • Olímpia Mairos

Até ao próximo domingo, o V Festival de arte de rua de Bragança – Sm’arte – acontece exclusivamente em meio rural.

A+ / A-

Uma sede de uma Junta de Freguesia, um posto de transformação de energia, uma escola primária já desativada, um pavilhão multiusos, a sede de uma associação e o edifício de uma antiga ordenha são alguns dos espaços que, de 16 a 20 de junho, vão ganhar nova vida com o V Festival de Street Art – Sm’arte.

A iniciativa da autarquia de Bragança desenvolve-se em sete aldeias do concelho com outros tantos artistas que vão dar asas à imaginação em intervenções em torno do tema “Bragança. Naturalmente”.

“Uma decisão que visa, sobretudo, promover a coesão territorial concelhia e novas dinâmicas turísticas nas aldeias, dinamizar e promover a Rota da Terra Fria (pouco conhecida e visitada até então) e evitar o esgotamento de espaços na cidade para este tipo de intervenções”, explica a autarquia em comunicado.

A autarquia investe dez mil euros no evento que contempla as aldeias de Baçal, Deilão, Mós, Santa Comba de Rossas, São Julião de Palácios, Rebordãos e Zoio.

Conhecidas pelo seu património natural, cultural e etnográfico, estas aldeias vão transformar-se no palco de criação dos artistas locais Duarte Saraiva, Lucky Hell e Trip Dtos e do coletivo Ruído (Draw e Contra), Mário Belém, Zela e Fedor Rua Duarte.

Segundo o presidente da autarquia de Bragança, a “arte urbana nas aldeias promoverá um fluxo de visitantes, nomeadamente durante a realização das obras nos próximos dias para acompanhamento dos trabalhos em execução pelos artistas”.

O concelho de Bragança conta, já, com cerca de 50 intervenções de street art em diferentes espaços públicos e integra, desde 2018, a plataforma mundial de arte urbana.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+