Tempo
|
A+ / A-

DGS

Normas de testagem são a “morte” das empresas de espetáculos e eventos

16 jun, 2021 - 09:57 • Anabela Góis , Olímpia Mairos

Testes à Covid-19 passam a ser recomendados em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e batizados, eventos culturais e desportivos com mais de 500.

A+ / A-

A Associação de Promotores de Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE) diz que as novas regras sanitárias da Direção Geral de Saúde para eventos familiares, eventos desportivos e culturais vão prejudicar o setor, já por si, muito afetado pela pandemia.

A testagem obrigatória, sempre que o número de espetadores em eventos culturais for superior a mil pessoas, em espaços ao ar livre, ou superior a 500 em recintos fechados, vai afastar os espectadores.

Segundo Álvaro Covões, dirigente da APEFE, “mais de 90% das pessoas não vão estar disponíveis para pagar do seu bolso o seu teste que, muitas vezes, vai ser mais caro do que o próprio bilhete”.

Como consequência “vão deixar de ir a espetáculos, enquanto esta norma existir, e isso vai significar que as salas vão fechar, os artistas não vão trabalhar, os técnicos não vão trabalhar e muitas empresas provavelmente vão falir”, afirma o dirigente.

O mesmo responsável recorda que “para viajar na Europa, quem estiver vacinado e quem já teve a doença não precisa de apresentar teste” já em Portugal, “para ir ao teatro, uma sala com mais de 500 lugares, ou ir a um espetáculo de música com mais de 500 pessoas numa sala, vai ser obrigatório o teste”.

“Vamos perder mais de 90% do público, porque as pessoas não vão ter tempo, não vão ter capacidade financeira para, sempre que forem a um espetáculo, terem que fazer um teste”, lamenta o dirigente da APEFE.

Os testes à Covid-19 passam a ser recomendados em eventos familiares com mais de dez pessoas, como casamentos e batizados, eventos culturais e desportivos, serviços públicos e empresas.

A norma DGS foi conhecida na última noite, mas a medida tinha sido adotada na semana passada pelo Conselho de Ministros.

A norma, referente à Estratégia Nacional de Testes para a SARS-CoV-2, atualizada na terça-feira, recomenda “a realização de rastreios laboratoriais em eventos familiares, designadamente casamentos e batizados, bem como quaisquer outras celebrações similares, com reunião de pessoas fora do agregado familiar, aos profissionais e participantes, sempre que o número de participantes seja superior a dez”.

Já em contexto laboral, nos locais de maior risco de transmissão, como as explorações agrícolas e o setor da construção, a DGS aconselha a testagem com uma periodicidade de 14/14 dias.

As empresas e serviços públicos com 150 ou mais trabalhadores também devem realizar testes ao novo coronavírus a cada 15 dias.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+