Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Augusto Santos Silva espera que as autoridades russas "apaguem os dados" dos ativistas

10 jun, 2021 - 19:11 • João Carlos Malta

MInistro dos Negócios Estrangeiros pede à Rússia que cumpra as leis internacionais e apague o registo dos dados que recebeu "indevidamente".

A+ / A-

"Espero que as autoridades russas que receberam indevidamente os dados cumpram as leis internacionais e os apaguem". Foi assim que, em declarações à RTP, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, reagiu esta quinta-feira ao caso da partilha da Câmara de Lisboa com as autoridades russas dos nomes, moradas e contactos de três manifestantes russos que, em janeiro, participaram num protesto, em frente à embaixada russa em Lisboa, pela libertação de Alexey Navalny, opositor daquele Governo.

Santos Silva disse que este caso não se trata de "um incidente diplomático". Classificou-o antes como "um procedimento errado que foi corrigido".

O governante disse ter ouvido a explicação dada pela Câmara Muncipal de Lisboa e que aí verificou "que quando o erro foi identificado o procedimento foi corrigido". Por esse motivo, "só me resta congratular com esse facto".

O presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, explicou que "o erro resultou de um funcionamento burocrático dos serviços que aplicaram nesta manifestação aquilo que aplicam à generalidade das dezenas de manifestações que acontecem no município".

Segundo Medina, foi aplicado o procedimento normal que se aplica em todas as manifestações desde 2011, quando foram extintos os governos civis e as competências passaram para as câmaras municipais.

Os ativistas russos cujos dados foram partilhados anunciaram hoje que vão apresentar uma queixa na justiça contra a Câmara Municipal de Lisboa para que tal "não volte a acontecer" com cidadãos portugueses.

O presidente da câmara de Lisboa disse também que a câmara de Lisboa "já tirou consequências desta situação" e alterou procedimentos.

Sobre este caso, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, considerou que há procedimentos administrativos, porventura em toda a Administração Pública, que não acompanharam a evolução dos dados pessoais e direitos fundamentais.

"Chega-se à conclusão de que há procedimentos administrativos antigos, e provavelmente isto um pouco por toda a Administração Pública, que não acompanharam o que foi a evolução dos dados pessoais e dos direitos fundamentais das pessoas", declarou Marcelo Rebelo de Sousa, em resposta a questões dos jornalistas, no Funchal. .

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • EU
    10 jun, 2021 PORTUGAL 20:50
    Dá a impressão que está a falar a sério. Apagar? É o que nada custa. Basta passar a BORRACHA, não era?
  • António dos Santos
    10 jun, 2021 Coimbra 20:21
    Quem cala a boca a este idiota 2, do desgoverno?!! Só diz asneiras!! Vá trabalhar para as obras ou varrer as ruas, que aí ainda pode ser útil e deixa de chular os portugueses.
  • Maria Oliveira
    10 jun, 2021 Lisboa 19:16
    Depois do mal feito, o que se vai seguindo é completamente ridículo. Este ministro devia ficar calado. Tudo o que diga só piora a situação. A única coisa que há a fazer é retirar consequências, i.e, haver responsabilidades inequivocamente assumidas. O presidente da CML não deve permanecer no cargo. Tudo o resto é conversa ...

Destaques V+