Tempo
|
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Benfica

Sócio Jorge Mattamouros interpõe queixa em tribunal contra Vieira

10 jun, 2021 - 20:56 • Redação

Em causa está uma alegada utilização de dinheiro do clube em benefício da Promovalor, empresa de Luís Filipe Vieira.

A+ / A-

Um sócio do Benfica interpôs, esta quinta-feira, uma ação cível contra o presidente do clube por este alegadamente usar dinheiro do clube para a sua empresa, a Promovalor. A notícia está a ser avançada pela TVI.

Jorge Mattamouros é o promotor da ação e cunhado de Noronha Lopes, que se candidatou contra Vieira na última corrida à presidência do Benfica, e acusa o líder dos encarnados de violação dos estatutos.

“O Benfica é um lesado de Luís Filipe Vieira” – este é o mote do advogado Jorge Mattamouros, que vive nos Estados Unidos e tem dupla nacionalidade.

Na ação, entregue ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, e a que a TVI teve acesso, Mattamouros alega que o Benfica está numa “crise institucional profunda”, devido à “decadência moral personificada em Luís Filipe Vieira” e à “instrumentalização do clube para um sem número de práticas ilícitas e eticamente censuráveis que servem os interesses pessoais do presidente, em detrimento dos interesses do clube”.

Segundo o queixoso há um alegado uso de recursos do Benfica para benefício da Promovalor.

Luís Filipe Vieira, segundo este sócio, "confunde a cada passo negócios pessoais com os dinheiros do clube” e “usa a presidência do Benfica e os recursos do clube para seu benefício pessoal”, resume, alegando que “parte do dinheiro que saía das contas do Benfica” era depois “entregue em numerário a funcionários da Promovalor”.

Na queixa, o mesmo fala ainda da relação de Vieira com o BES e dos contornos da OPA lançada ao Benfica e que entretanto foi suspensa pela CMVM.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+