Vaticano

Papa beija tatuagem de sobrevivente do holocausto

26 mai, 2021 - 12:59 • Vatican News (imagens)

O Papa Francisco encontrou esta manhã, no final da audiência geral no Vaticano, uma sobrevivente do holocausto que foi deportada para Auschwitz-Birkenau quando tinha apenas três anos. Inesperadamente beijou o braço de Lidia Maksymowicz, onde estava tatuado o seu número de prisioneira. Junto do Papa recordou o terror em que viviam, sempre que o médico entrava no cárcere e as chamava pelo número identificativo do braço. O percurso da vida desta mulher inspirou o documentário “70072, a menina que não sabia odiar”, recentemente apresentado em Itália, razão pela qual Lidia veio a Itália.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.