Tempo
|
A+ / A-

VAR Bola Branca

Nota 1 para Tiago Martins. "Não há razão para a grande penalidade do FC Porto"

10 mai, 2021 - 23:03 • Redação

O especialista Paulo Pereira critica a arbitragem do FC Porto 5-1 Farense, goleada que terá começado com um erro grave.

A+ / A-

O videoárbitro (VAR) Bola Branca, Paulo Pereira, atribuiu nota 1 a Tiago Martins, juiz FC Porto 5-1 Farense, da 32.ª jornada do campeonato.

Uma decisão motivada, desde logo, pela grande penalidade assinalada a favor do FC Porto, aos três minutos, que dá o primeiro golo.

"Não concordo com o penálti assinalado para o FC Porto, porque a Otávio só faltou segurar o braço de Licá e levá-lo ao encontro da bola. Com o braço direito, ele impede o movimento do braço de Licá e a bola acaba por ir lá bater. Licá está manifestamente condicionado pela ação do Otávio. Não há razão para a marcação da grande penalidade", explica.

Paulo Pereira considerou que a atuação disciplinar de Tiago Martins foi "uma catástrofe", com amarelos mal exibidos a Cássio e César, do Farense, e Mbemba e Grujic, do FC Porto. Por outro lado, terá ficado por castigar a falta de Falcão que deixou Luis Díaz lesionado.

Apesar das críticas, o VAR Bola Branca aprova duas decisões de Tiago Martins. "Uma decisão absolutamente certa foi o cartão vermelho a Bilel. Pisa prolongadamente o tendão de Aquiles de Manafá, podia tê-lo lesionado gravemente", argumenta Paulo Pereira.

A outra foi a invalidação do golo (seria o 3-1) de Pedro Henrique sobre o intervalo: "Aos 45+2 minutos, efetivamente quem faz o passe para Pedro Henrique é um jogador do Farense. Boa decisão ao anular o golo."

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+