Tempo
|
A+ / A-

Autárquicas. Rio acusa PS de “levar Medina ao colo” e pede igualdade de circunstâncias

06 mai, 2021 - 12:59 • Paula Caeiro Varela , Marta Grosso

No lançamento da Coligação Novos Tempos para a Câmara de Lisboa, presidente do PSD pediu condições iguais para todos disputarem “com lealdade” as eleições. Carlos Moedas deixou críticas às promessas de Fernando Medina, nunca cumpridas.

A+ / A-

O presidente do PSD avisa que o Governo vai levar Fernando Medina ao colo, porque não pode arriscar perder Lisboa. É uma questão de "equilíbrios internos" dentro do PS, diz Rui Rio.

“O Governo vai levar o Dr. Fernando Medina ao colo na medida do possível para o ajudar. E vai contar ou tem contado com algumas ajudas que não devia. Não devia contar com ajudas como aquela a que temos assistido de ter o presidente da Câmara de Lisboa – e, já agora também o do Porto, que são candidatos outra vez a autarcas em anos de eleições a fazer comentário político na televisão todas as semanas”, criticou nesta quinta-feira, ao final da manhã, no Jardim da Estrela, em Lisboa.

Na assinatura da Coligação Novos Tempos, que concorre às eleições autárquicas com Carlos Moedas como candidato, o líder social-democrata condenou o facto de Medina “fugir às perguntas que obrigatoriamente lhe tinham de fazer” nesses espaços televisivos, “mas que, sendo incómodas”, não são respondidas.

“A democracia e a transparência exigem igualdade de circunstâncias e assim não há. E, por isso, faço um apelo a que, em nome dos princípios democráticos, tudo se faça para que todos os candidatos pelo país todo, e particularmente aqui em Lisboa, tenham as mesmas condições de disputar com lealdade a eleição que vamos ter em setembro e outubro”, afirmou.

A Coligação Novos Tempos inclui cinco partidos: Aliança, MPT, PPM, CDS e PSD. Carlos Moedas, o cabeça de lista por Lisboa, deixou críticas às promessas nunca cumpridas do autarca e candidato do PS, Fernando Medina.

“Os lisboetas já não vão acreditar no programa eleitoral de Fernando Medina, porque ele nunca o cumpriu. Nunca o fez. As promessas não valem nada na boca de Fernando Medina”, acusou.

“Vejam o que é mais importante para uma cidade: é um investimento, um investimento para a cidade. O que é que Fernando Medina fez em relação ao investimento na cidade? Em 2019, no orçamento da Câmara Municipal estavam 462 milhões de euros previstos para investir na cidade. Qual foi a execução que foi feita? 162 milhões. Nada”, apontou.

“Quando eu trabalhava, com muito orgulho, como comissário europeu, o orçamento que eu geria na Comissão Europeia eram 10 câmaras municipais de Lisboa, 10 mil milhões por ano. E vão perguntar: quanto é que nós executávamos, quanto é que os meus serviços executavam todos os anos na Comissão Europeia? 100%. 100% de 10 câmaras municipais de Lisboa”, sublinhou perante a audiência que se reuniu no Jardim da Estrela.

Exemplo de promessas não cumpridas são os 14 centros de saúde e milhares de casas com renda acessível, apontou Carlos Moedas, sugerindo a criação de uma Assembleia de Cidadãos, escolhidos de forma aleatória.

O candidato social-democrata prometeu ainda ouvir os lisboetas, ao contrário do que, diz, sucede com o atual executivo municipal.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+