Tempo
|
Francisco Sarsfield Cabral
Opinião de Francisco Sarsfield Cabral
A+ / A-

Escravatura em Odemira

05 mai, 2021 • Opinião de Francisco Sarsfield Cabral


Milhares de imigrantes asiáticos são capturados e escravizados por redes criminosas. O Presidente da Câmara de Odemira queixa-se de não ser ouvido sobre esta tragédia humana e nem sequer ser informado sobre as empresas que se instalam no seu município. A reação governamental revela pelo menos um erro político e uma crescente atitude autoritária que se aproxima de Trump, Putin ou Erdogan.

A pandemia trouxe para a atualidade informativa a existência de uma forma de escravatura, que há anos se faz sentir na região de Odemira, mas que não parecia perturbar a opinião pública. Não é exagerado falar em escravatura, quando imigrantes asiáticos, que não entendem a língua portuguesa, são capturados por redes criminosas, que os exploram barbaramente com o silêncio e a complacência de empresas agrícolas e de outras entidades.

Os imigrantes não se queixam porque sabem que, se falarem, poderão ser mortos pelos criminosos que os aliciaram. E se algum consegue fugir a essas máfias internacionais, estas vingam-se em familiares do imigrante que ficaram no país de origem.

Alberto Matos, diretor nacional e delegado em Beja da Associação Solim-Solidariedade Imigrante, afirmou que o número de imigrantes no distrito poderá atingir os 20 mil, uma vez que "muitos chegam a Portugal, trazidos pelos contratadores de mão-de-obra temporária, com vistos turísticos, e depois ficam de forma ilegal na região". Alberto Matos foi categórico: "sem imigrantes ilegais, não há colheitas rentáveis", disse ao “Jornal de Notícias”, acrescentando que existem "autênticos negreiros" no recrutamento de mão-de-obra.

Muitos imigrantes ficam sem quaisquer documentos, que lhes são retirados pelas redes, e por vezes também por patrões, que assim têm à disposição uma mão-de-obra baratíssima e incapaz de reivindicar. Se isto não é escravatura num modelo moderno, não sei o que será...

As redes de tráfico de pessoas movimentam muito dinheiro. José Alberto Guerreiro, Presidente da Câmara de Odemira, referiu que habitações caras e automóveis de topo de gama são transacionados usando notas. E que se detetam ali “trabalhadores-fantasma”, imigrantes que não chegam a trabalhar na agricultura local. Por outro lado, o Presidente da Câmara afirmou ter denunciado abusos e diz acreditar que a dimensão do crime de tráfico de seres humanos é muito maior do que a envolvida nos inquéritos em curso. Também lamentou não ser sequer informado sobre as empresas que se instalam no seu município, porque a lei não prevê tal informação.

A agricultura portuguesa e, em particular, aquela que explora zonas de regadio, precisa de imigrantes, sobretudo para trabalhos sazonais. Mas não é aceitável que recorra ao trabalho de gente que vem de muito longe para ser explorada de forma desumana. E é chocante que o país não se incomode com uma tal situação; salvo raras e honrosas exceções, só por causa da pandemia o caso veio para a atualidade da comunicação social.

Não é só o facto, bem conhecido, de uma parte desses imigrantes viver em “condições de insalubridade habitacional inadmissível”, como há dias admitiu o primeiro-ministro A. Costa, que classificou o caso de “violação gritante dos direitos humanos”. Mas foi o mesmo primeiro-ministro que, em 2019, aprovou um regime especial e transitório (dez anos) para o perímetro de rega de Mira, instalando contentores para alojar imigrantes.

Reagindo a essa decisão num artigo no “Público”, Helena Roseta classificou, então, o regime especial de ser “uma violação grosseira do direito à habitação consagrado na nossa Constituição e na Lei de Bases da Habitação”. Acrescentava H. Roseta que “esta Resolução, que se preocupa com o respeito pelas normas ambientais, paisagísticas e urbanísticas, esqueceu as pessoas. Os contentores são agora equiparados a ‘estruturas complementares da atividade agrícola’, como se a habitação para os trabalhadores fosse a mesma coisa que o armazenamento de alfaias agrícolas”.

Neste triste caso de Odemira a falta de respeito pelos direitos humanos não tem a ver apenas com a exploração dos imigrantes. Respondendo ao surto epidémico local de “covid”, o Conselho de Ministros determinou a requisição civil de uma unidade hoteleira onde existem 260 casas, 160 das quais são propriedade de particulares, alguns dos quais têm ali a sua habitação permanente. A requisição visava instalar nesse empreendimento imigrantes em isolamento por causa da pandemia.

Só que a Ordem dos Advogados afirmou que a requisição põe em causa direitos humanos e, tendo acabado o estado de emergência, só é possível por decisão judicial, visto envolver residências privadas. Esta requisição revela incompetência governamental, manifestando uma crescente atitude autoritária que se aproxima de Trump, Putin ou Erdogan.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    06 mai, 2021 Lisboa 17:30
    O que se questiona é as pessoas serem expulsas de suas casas para alojar outras pessoas. Ninguém considera os migrantes culpados - embora depois disto seja de temer algumas situações em que são eles que vão pagar. Mas o governo que não só colaborou na situação dramática deles, como assobiou para o lado durante anos e só se mexeu agora que o caso passou a fronteira e ainda por cima desastradamente ao roubar habitação a umas pessoas para a dar outras mediante a força brutal dum pequeno exército vindo pela calada da noite como ladrões, para não enfrentar resistência. Quer dizer... Puseram o relógio a andar para trás e voltámos aos tempos do PREC? E aposto que na Providência Cautelar que já entrou, o governo vai invocar "superior interesse público" como se não houvesse alternativas a não ser roubar as pessoas. Se a moda pega... O melhor é armadilhar as casas e propriedade para quando o governo se lembrar de a dar a outros...
  • Maria Oliveira
    05 mai, 2021 Lisboa 19:55
    Excelente artigo. Anda por aí a "debater-se" o racismo, o colonialismo, a escravatura (de tempos passados) e ninguém, com responsabilidades, olhou para esta deplorável realidade vivida num país da UE, em pleno séc. XXI! Aliás, no que respeita ao chefe do governo, até colaborou nela. Não sei qual é a solução para um problema tão complexo, atentas as ameaças de que estes imigrantes são vítimas por parte dos que os exploram. Sei apenas que não podemos "olhar para o lado" porque é assim que as tragédias começam.