Tempo
|
A+ / A-

Frente Comum marca greve da função pública para 20 de maio

04 mai, 2021 - 15:01 • Lusa

Aumento dos salários e da revogação do sistema de avaliação são as reivindicações na origem do protesto.

A+ / A-

A Frente Comum anunciou hoje uma greve da função pública para dia 20 de maio em defesa do aumento dos salários e da revogação do sistema de avaliação (SIADAP).

Em conferência de imprensa, o coordenador da Frente Comum, Sebastião Santana, disse que esta "não foi uma decisão tomada de ânimo leve", antes resulta de um longo período de falta de resposta aos problemas".

Além de uma greve de 24 horas, o dia de luta nacional ficará também marcado por uma concentração de trabalhadores em frente ao Conselho de Ministros, em Lisboa.

O pré-aviso de greve não abrange o setor da saúde devido ao contexto pandémico, mas espera-se que os trabalhadores possam participar em ações neste dia.

Relativamente aos restantes setores da administração pública, Sebastião Santana antecipa que esta vai ser "uma greve com muito impacto", salientando que este dia de luta nacional surge perante a "falta de vontade do Governo" em negociar as propostas apresentadas por esta estrutura sindical afeta à CGTP.

"O exemplo mais recente que temos de ausência de resposta é o caso do SIADAP [Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública]", apontou o dirigente sindical precisando que o Governo já convocou os sindicatos para uma nova ronda negocial, a realizar no dia 10 de maio, sem ter feito até ao momento uma "proposta concreta".

Sublinhando que o que tem havido com o Governo não é uma efetiva negociação, mas "um simulacro de negociação", o dirigente sindical precisou ter chegado, por isso, o momento de os trabalhadores da administração pública "dizerem basta" a um processo que "à boleia da pandemia" esta a "tirar direitos" e a dar "ao Governo desculpas" para "não negociar matérias".

Além da revogação do SIADAP e de um aumento geral dos salários, a Frente Comum inclui ainda entre os motivos para este dia de luta a necessidade de dignificação das carreiras, a defesa dos serviços públicos e a correção da Tabela Remuneratória Única (TRU).

No final da reunião com os sindicatos realizada em 09 de abril, o secretário de Estado da Administração Pública referiu que a revisão do sistema de avaliação dos funcionários públicos vai produzir efeitos em 2023 e deverá manter as quotas para a nota mais elevada, embora relacionadas com o desempenho dos serviços, afastando um cenário de eliminação de quotas.

"Vejo com muita dificuldade que isso possa acontecer [a eliminação das quotas], o que podemos é ligá-las aos resultados apresentados pelos serviços", disse então o secretário de Estado da Administração Pública, José Couto, aos jornalistas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    04 mai, 2021 Lisboa 18:43
    E vão resolver esses problemas todos com (mais) uma greve de 1 dia e as tradicionais "marchinhas pela avenida" ? Sendo os sindicatos filiados na UGT - pertence ao partido do governo, o PS e logo, está do lado do governo e não dos trabalhadores - e na CGTP - luta pelo PCP que provou o cheiro do Poder e está ansioso por ter um lugar à mesa - não irão mas é começar a contribuir para o OE2022 dando ao governo 1 dia de salário da Função Pública? Abram os olhos e formem novos sindicatos, evidentemente não alinhados. "Estes", podem lutar por muita coisa. Pelos associados é que não.

Destaques V+