Tempo
|
A+ / A-

Espanha

Após derrota histórica em Madrid, Pablo Iglesias abandona a política

04 mai, 2021 - 22:49 • Filipe d'Avillez

Iglesias chegou a ser vice-presidente do Governo espanhol e uma das grandes figuras da extrema-esquerda. A sua carreira política durou sete anos e chegou ao fim esta noite.

A+ / A-

O líder e principal protagonista do partido Unidas Podemos anunciou esta terça-feira que vai abandonar todos os seus cargos e deixar a vida política.

Pablo Iglesias é um dos rostos da derrota esmagadora da esquerda nas eleições da região autónoma de Madrid. Ao início da noite a esquerda ainda depositava alguma esperança numa “surpresa”, mas acabou por ver o Partido Popular, de direita, eleger mais deputados para a assembleia regional do que as três forças da esquerda juntas.

Apesar da vitória, o PP poderá ainda ter de se unir ao Vox para formar Executivo, o que só realça a derrota da esquerda em Madrid.

Quando os resultados se tornaram aparentes, Pablo Iglesias convocou uma reunião de emergência do Unidas Podemos e anunciou que vai deixar todos os cargos.

“Ser útil à Unidas Podemos é a minha maior aspiração, mas creio que é evidente que não contribuo a somar. Deixo todos os meus cargos, continuarei comprometido com o meu país, mas não vou ser um obstáculo para uma renovação de lideranças”, declarou Iglesias.

O líder da esquerda radical, que chegou a ser vice-presidente do Governo de Pedro Sánchez, vê assim terminar um período de sete anos em que, com o seu estilo polémico e chocante, se tornou uma das grandes figuras da esquerda radical em Espanha.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    05 mai, 2021 Lisboa 10:53
    Quem escreveu este artigo só pode ser ignorante ao achar que o Podemos é da "esquerda radical".

Destaques V+