Tempo
|
Três por Todos - Assista ao direto Três por Todos - Participe nos leilões
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
Tudo sobre o EURO 2020 Últimas Notícias
A+ / A-

Inquérito da FNE

Professores preocupados com incumprimento das regras de segurança

03 mai, 2021 - 09:58 • Vítor Mesquita , Olímpia Mairos

Os docentes do secundário queixam-se também do excesso de trabalho no regresso às escolas e os do ensino superior lamentam não serem considerados prioritários na vacinação contra a Covid-19.

A+ / A-

Os professores estão preocupados e alertam para o incumprimento das regras de segurança por parte dos alunos dentro dos estabelecimentos de ensino.

De acordo com João Dias da Silva, da Federação Nacional da Educação (FNE), “50% dos professores do ensino secundário e 30% do ensino superior referem que não há cumprimento daquilo que são as regras básica de segurança. Desde logo, o distanciamento físico e também dentro dos espaços escolares a partilha de material e até de alimentos e de bebidas”.

Mais de metade dos docentes que participaram no inquérito promovido pela FNE, considera que o principal problema no regresso às escolas é o elevado volume de trabalho, sendo a saúde mental o segundo problema dos docentes.

“Cinquenta e cinco por cento referem o excesso de trabalho, logo a seguir aos 58,7% que apontam para a saúde mental e o bem-estar como preocupação dominante das pessoas, agora no regresso”, indica João Dias da Silva.

Segundo este responsável, as razões invocadas para esta preocupação prendem-se com a necessidade que os professores sentem de ter mais tempo para preparar as atividades letivas.

“Agora há mais pressão para a preparação das atividades e, ao mesmo tempo que há essa pressão, os professores são bombardeados com emails e questões burocráticas. E aquilo que é essencial é que os professores se possam centrar naquilo que é o essencial, que são as aprendizagens dos alunos”, explica.

No ensino superior também há queixas e estas incidem na falta de vacinação, com os professores a queixarem-se de continuarem fora das prioridades.

“A queixa maior é pelo facto de não terem sido vacinados. Esta consulta dá sinal da critica muito forte dos professores e não docentes do ensino superior do facto de não terem sido integrados numa prioridade de vacinação e neste momento, com o regresso à atividade letiva presencial, ainda não terem sido uma prioridade especifica”, conclui João Dias da Silva.

Os estabelecimentos de ensino dos 2.º e 3.º ciclos reabriram em 5 de abril, depois de mais de dois meses encerrados, devido ao agravamento da pandemia da Covid-19 em Portugal, no início do ano. No dia 19 de abril juntaram-se também as escolas secundárias e o ensino superior.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    03 mai, 2021 Lisboa 12:42
    Here we go again...

Destaques V+