Tempo
|
A+ / A-

Covid-19. Vacina da Johnson limitada a maiores de 50 anos em Portugal

30 abr, 2021 - 11:30 • Marta Grosso

DGS já confirmou a decisão à Renascença. Secertário de Estado da Saúde diz que o auto-agendamento está a correr bem e que há muita gente ansiosa por ser vacinada.

A+ / A-

Veja também:


Portugal limita a administração da vacina Janssen, da farmacêutica Johnson & Johnson, a pessoas com mais de 50 anos. A informação foi avançada nesta sexta-feira pelo secretário de Estado da Saúde, durante uma visita ao Centro Hospitalar do Oeste, nas Caldas da Rainha.

"Estes planos são ajustáveis e têm sempre uma adaptação permanente, progressiva, àquilo que a Ciência nos vai dando", acrescentou António Lacerda Sales, ressalvando que a Direção-Geral da Saúde já publicou a norma e que a vacina irá começar agora a ser administrada.

A DGS já confirmou a decisão à Renascença.

Segundo o secretário de Estado da Saúde, as autoridades estão a seguir "as recomendações internacionais", em articulação com outros países da Europa, e reforçou que, se necessário, "serão feitos ajustes dentro de algum tempo".

A norma sobre a vacina da Johnson & Johnson (Janssen) era esperada há alguns dias, depois de, em 21 de abril, a ministra da Saúde ter afirmado que aguardava um parecer "mais refinado" sobre a toma desta vacina, que terá provocado episódios de coágulos sanguíneso raros em algumas pessoas.

Portugal tem 31 mil doses da vacina da Janssen contra a Covid-19. Depois de ter sido suspensa pelo facto de ter provocado a morte a oito pessoas nos Estados Unidos, o medicamento voltou a ser administrado e, na Europa, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA, na sigla em inglês) anunciou que a vacina continuava a ser segura.

O comité de segurança do regulador europeu disse ter encontrado uma "ligação a casos muito raros de coágulos de sangue invulgares com plaquetas sanguíneas baixas, mas confirma que o risco-benefício global permanece positivo”.

A bula deve, contudo, incluir "um aviso sobre coágulos de sangue invulgares com plaquetas sanguíneas baixas; os coágulos devem ser “listados como efeitos secundários muito raros da vacina”, refere o regulador.

Vacinação a decorrer bem para alcançar imunidade

“Tem decorrido muito bem o processo de vacinação”, afirmou nesta sexta-feira o secretário de Estado da Saúde, considerando que, se assim continuar, poderemos “chegar ao final do verão com a imunização de grupo e retomar, de alguma forma, a normalidade”.

De visita ao Centro Hospitalar do Oeste, nas Caldas da Rainha, António Lacerda Sales disse aos jornalistas que o auto-agendamento da vacina “tem tido muita solicitação”.

“As pessoas têm demonstrado confiança na vacinação” e há mesmo alguma ansiedade por se vacinarem, avançou.

“As pessoas têm-se mostrado entusiasmadas com o auto-agendamento” e algumas “até comparecem nos centros de vacinação meia hora ou uma hora antes”, tendo sido já criadas salas especiais para poderem aguardar e ficar menos ansiosas. É a chamada “salas dos ansiosos”, afirmou o governante, satisfeito com a adesão.

“É muito bom. Quer dizer que as pessoas têm muita confiança na vacinação”, considerou.

Questionado sobre o novo hospital do Oeste, Lacerda Sales diz que o plano está ainda na “dimensão técnica”.

“Neste momento, a decisão não é política, mas técnica e é essa que é importante consolidar para se passar à decisão política”, disse.

Mas, há vontade política?, perguntaram-lhe. O secretário de Estado foi mais evasivo, afirmando que “temos de gerir sempre os recursos dos portugueses”.

“Há vontade política, de acordo com o que são os nossos recursos”, voltou a dizer, para reforçar a necessidade de “deixar primeiro evoluir o que são os estudos técnicos”.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+