Tempo
|
A+ / A-

TAP

"Não há saída voluntária". SITAVA acusa Pedro Nuno Santos de estar "preocupado com custos políticos"

24 abr, 2021 - 13:01 • Vítor Mesquita , Sofia Freitas Moreira

Em declarações à Renascença, José Sousa diz que o ministro das Infraestruturas e Habitação quer mascarar o despedimento coletivo como “um ato voluntário por parte dos trabalhadores”, mas, diz, “isso não corresponde à realidade”.

A+ / A-

O secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Aviação e Aeroportos (SITAVA), José Sousa, acusa Pedro Nuno Santos de ser “um ministro sobretudo preocupado em gerir os custos políticos” de um despedimento coletivo de 500 trabalhadores da TAP.

Em declarações à Renascença, José Sousa diz que o ministro das Infraestruturas e Habitação quer mascarar o despedimento coletivo como “um ato voluntário por parte dos trabalhadores”, mas, diz, “isso não corresponde à realidade”.

“Se o trabalhador sair hoje, leva dois salários de bónus, mas se for para o despedimento coletivo, ele é despedido daqui a 75 dias, logo, tem dois meses e meio para receber. São os tais dois salários que a empresa oferece agora”, explica o secretário-geral do SITAVA.

José Sousa afirma que “não há nenhuma negociação aqui, não há nenhuma saída voluntária. É voluntaria à força. Ou sai com o acordo que lhe propõem, ou sai com o despedimento coletivo, que é igual”.

Na sexta-feira, Pedro Nuno Santos, recusou que houvesse "chantagem" sobre os trabalhadores da TAP para aceitarem as medidas voluntárias. José Sousa discorda e diz que a “chantagem é óbvia aqui”.

Segundo o ministro, numa entrevista à SIC, "o despedimento coletivo é uma necessidade que se enquadra no plano de reestruturação", salientando que "neste momento, há um conjunto de perto de 500 trabalhadores que estão identificados para o processo de despedimento coletivo, mas ainda há tempo para optarem pelas medidas voluntárias".

“Não é uma questão de chantagem, é que a empresa precisa desesperadamente de uma redução de efetivos e uma redução drástica de custos, porque teve uma travagem brusca da atividade", justificou.

Pedro Nuno Santos referiu ainda que, por outro lado, já foi enviada a 6.240 trabalhadores da TAP "uma carta de conforto dizendo que neste momento não está em causa a sua permanência da empresa".

Quanto ao apoio de 462 milhões de euros aprovado na sexta-feira pela Comissão Europeia para a TAP, o ministro disse que a companhia "precisa de caixa enquanto as negociações [para a aprovação do plano de reestruturação por Bruxelas] estão a decorrer".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+