Tempo
|
A+ / A-

Inquérito Covid-19: Portugueses satisfeitos com resposta da UE, mas não do Governo

23 abr, 2021 - 16:18 • Lusa

"Eurobarómetro de Inverno" revela que a maioria dos europeus estão insatisfeitos com a resposta da UE à crise da covid-19: 49% consideram-na insatisfatória e 43% satisfatória.

A+ / A-

Veja também:


Dois terços dos portugueses (66%) estão satisfeitos com a resposta da União Europeia (UE) à pandemia da covid-19, o terceiro valor mais elevado entre os 27, mas só 49% aplaudem o Governo, revela um inquérito hoje divulgado pela Comissão Europeia.

O "Eurobarómetro de Inverno", conduzido nos 27 Estados-membros entre fevereiro e março passado e cujos primeiros resultados foram hoje publicados em Bruxelas, revela que a maioria dos europeus estão insatisfeitos com a resposta da União Europeia à crise da covid-19, já que 49% consideram-na insatisfatória e 43% satisfatória.

Em Portugal, 66% dos inquiridos afirmam-se satisfeitos com as medidas adotadas ao nível europeu para lutar contra a pandemia, o terceiro valor mais alto da UE, apenas superado por Dinamarca (68%) e Lituânia (67%), enquanto, no extremo oposto da lista, os cidadãos mais críticos relativamente à resposta da UE são os gregos (apenas 31% de satisfação), franceses (32%) e alemães (33%).

No entanto, quando confrontados com a mesma questão mas relativamente às medidas adotadas a nível nacional, a satisfação dos portugueses cai para os 49%, ficando em maioria (51%) aqueles que se dizem "insatisfeitos" com as medidas do Governo, neste caso mais em linha com a média europeia (56% de "insatisfeitos" e apenas 43% de "satisfeitos").

Os cidadãos mais satisfeitos com a resposta dada pelas respetivas autoridades nacionais são os dinamarqueses (79%), luxemburgueses (73%) e holandeses (71%), e os mais insatisfeitos os letões (21%), checos (24%) e eslovacos (25%).

Portugal é o Estado-membro onde se regista uma maior confiança na UE "para tomar boas decisões no futuro" relativamente ao combate à pandemia da covid-19, com 89% dos inquiridos a afirmarem-se confiantes, o valor mais alto entre os 27 de forma destacada, 10 pontos à frente do segundo país (Malta, com 79%) e muito acima da média europeia (59%).

Este "Eurobarómetro" revela, de resto, que os portugueses são os cidadãos europeus que atualmente mais confiam na União Europeia em termos globais (78%), graças a uma subida de 22 pontos face à anterior consulta, realizada no verão de 2020, seguidos de irlandeses (74%) e lituanos (70%).

Os cidadãos europeus menos confiantes na UE são os gregos (37%), cipriotas e franceses (39% em ambos os casos).

Portugal é também o Estado-membro onde se regista um maior apoio à moeda única, com 95% dos inquiridos a manifestarem o seu apoio ao euro, à frente de Eslovénia (94%) e Irlanda (91%), enquanto os países onde o euro é mais impopular são a Suécia (25%) e a Dinamarca (32%).

No entanto, os portugueses são os mais pessimistas quanto ao ritmo da retoma no respetivo país, com 82% dos inquiridos a considerarem que a economia portuguesa só se recomporá do impacto da pandemia em 2023 ou mais tarde.

A nível dos 27 Estados-membros, 61% dos inquiridos também não antecipam uma plena recuperação económica antes de 2023, 23% acreditam que a mesma ocorrerá em 2022, e somente 5% confiam que sucederá ainda este ano.

Em Portugal, o inquérito foi conduzido junto de 1.100 pessoas, entre 12 de fevereiro e 08 de março, pela Marktest.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+