Tempo
|
A+ / A-

Presidente chinês aceita participar em cimeira sobre o clima organizada por Biden

21 abr, 2021 - 08:30 • Lusa

Xi Jinping, líder do país mais poluidor do mundo, vai fazer um "discurso importante" por videoconferência. Apesar da tensão, China e EUA comprometeram-se no sábado a "cooperar" na questão do clima.

A+ / A-

O Presidente chinês, Xi Jinping, vai participar da cimeira virtual do clima organizada pelo homólogo norte-americano, Joe Biden, apesar do declínio nas relações entre Pequim e Washington, informou o ministério dos Negócios Estrangeiros da China na quarta-feira.

O chefe de Estado chinês vai fazer um "discurso importante" via videoconferência, a partir de Pequim, revelou o ministério, poucos dias depois de os dois países se comprometerem a "cooperar" na questão das alterações climáticas.

Joe Biden convidou cerca de 40 líderes mundiais para uma cimeira internacional sobre o clima, que se vai realizar por videoconferência, entre quinta e sexta-feira.

China e Estados Unidos são os dois maiores emissores de gases de efeito estufa, a fonte do aquecimento global. O acordo entre os dois países é, portanto, considerado crucial para o sucesso dos esforços internacionais na redução das emissões.

No entanto, a relação entre as duas potências deteriorou-se nos últimos anos, marcada por uma prolongada guerra comercial e diferendos sobre questões como Hong Kong, Taiwan, abusos dos Direitos Humanos ou a soberania do mar do Sul da China.

Os dois países comprometeram-se no sábado a "cooperar" na questão do clima, após uma visita a Xangai do enviado dos EUA para o clima, John Kerry, que se encontrou com o seu homólogo chinês, Xie Zhenhua.

O ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump retirou o seu país do Acordo de Paris para o clima. Após assumir o poder, em janeiro, Joe Biden retrocedeu nessa decisão.

Grande consumidor de carvão, a China é, em termos absolutos, o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, mas também o país que mais investe em energias renováveis.

"Não podemos resolver esta crise climática sem a China na mesa de negociações", disse Kerry, na semana passada, durante a sua viagem a Xangai.

Pequim prometeu começar a reduzir as suas emissões de CO2 "antes de 2030" e alcançar a "neutralidade nas emissões de carbono" até 2060, ou seja, absorver tanto quanto emite.

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+