Tempo
|
A+ / A-

Rússia

Mais de 1.000 detidos em manifestações de apoio a Alexei Navalny

21 abr, 2021 - 22:32 • Lusa

O dia de protestos foi convocado para mais de uma centena de cidades russas, de Vladivostok, no leste da Rússia, até ao Báltico e a Moscovo, onde aconteceu a manifestação maior, reunindo vários milhares de pessoas, e marcado para calhar no dia do discurso anual do Presidente, Vladimir Putin.

A+ / A-

Mais de 1.000 pessoas foram detidas esta quarta-feira na Rússia em manifestações convocadas em várias cidades para exigir a libertação do líder da oposição Alexei Navalni, um aumento significativo em relação aos balanços anteriores, que apontavam para 182 detidos e depois para 500.

O número de detidos foi avançado pela organização não governamental (ONG) OVD-Info, que monitoriza os protestos na Rússia.

O dia de protestos foi convocado para mais de uma centena de cidades russas, de Vladivostok, no leste da Rússia, até ao Báltico e a Moscovo, onde aconteceu a manifestação maior, reunindo vários milhares de pessoas, e marcado para calhar no dia do discurso anual do Presidente, Vladimir Putin.

O aumento dos detidos deverá ser explicado com o facto de, no anterior balanço, ainda não se terem realizado algumas das concentrações, devido à diferença horária. As manifestações foram marcadas para as 19h00 locais, mas isso significa 12h00 em Lisboa nas que ficam mais a leste e 17h00 em Lisboa em cidades como Moscovo ou São Petersburgo.

Diversos ativistas foram detidos antes do início dos protestos e outros enquanto decorriam os desfiles, tendo ainda sido relatadas buscas em locais com ligação à organização do opositor.

O anterior movimento de contestação, após a detenção de Navalny em janeiro, originou mais de 11 mil detenções e pelo menos sete pesadas penas de prisão por acusações de “violências” contra a polícia.

Alexei Navalny, o principal oponente do Presidente russo, Vladimir Putin, foi preso em janeiro ao voltar da Alemanha, onde passou cinco meses a recuperar de um envenenamento com um agente neurotóxico que foi atribuído ao Kremlin, acusações que as autoridades russas rejeitaram.

O opositor está há três semanas em greve de fome e, segundo os apoiantes, o seu estado de saúde inspira cuidados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+