Tempo
|
A+ / A-

Covid-19

Taiwan cobra 17 euros a não prioritários que aceitem tomar vacina da AstraZeneca

20 abr, 2021 - 00:39 • Lusa

Medida entrou em vigor esta segunda-feira para evitar o desperdício de vacinas face à recusa da toma entre grupos prioritários. Por 17 euros, qualquer pessoa pode tomar uma vacina da AstraZeneca perto do fim do prazo.

A+ / A-

Veja também:


Taiwan começou esta segunda-feira a administrar vacinas da AstraZeneca contra a Covid-19 em risco de expirarem, por 17 euros, a qualquer pessoa, devido à resistência à sua toma entre grupos prioritários.

Horas depois de o sistema começar a admitir reservas para administração da vacina, quatro dos cinco hospitais onde estão disponíveis já não tinham vagas para as próximas duas semanas, segundo a agência CNA.

Desde 22 de março, a agência de controlo de epidemias (CECC) disponibiliza a vacina a grupos prioritários - pessoal médico, profissionais de prevenção de epidemias e pessoas com maior risco de exposição a Covid-19 devido a seus empregos - mas o ritmo de vacinação não é suficiente para que os lotes de AstraZeneca sejam administrados antes que a sua validade expire.

Suspensa nalguns países devido a casos de coágulos sanguíneos, a vacina AstraZeneca é a única recebida até agora por Taiwan, que aguarda a chegada de lotes de Pfizer nas próximas semanas.

De acordo com os dados mais recentes do CECC, um total de 32.450 pessoas receberam vacina contra a Covid-19 em Taiwan, cerca de 5% das 618 mil incluídas em grupos prioritários.

A vacina está agora disponível para pessoas que pretendem viajar para o estrangeiro para negócios, estudos ou fins médicos, que têm de pagar 600 dólares taiwaneses (cerca de 17 euros), três a sete vezes mais do que pagam indivíduos prioritários.

A validade de cerca de 117 mil doses de vacina compradas diretamente à AstraZeneca expira a 15 de junho e a de outras 199.200, fornecidas através da COVAX, expira a 31 de maio.

Em conferência de imprensa na segunda-feira, o porta-voz do CECC, Chuang Jen-Hsiang, disse que 10 mil doses da vacina AstraZeneca foram disponibilizadas agora a grupos não-prioritários, mas que mais doses poderão ser oferecidas para este grupo se a procura permanecer alta.

A Dinamarca tornou-se, na semana passada, no primeiro país europeu a anunciar o abandono definitivo da vacina da AstraZeneca, justificando a decisão com os efeitos secundários “raros, mas graves” de coágulos sanguíneos.

O regulador europeu e a Organização Mundial de Saúde mantêm a autorização para continuar a administrar o fármaco.

A campanha de vacinação da UE tem sido marcada por atrasos na entrega de vacinas por parte da farmacêutica anglo-sueca AstraZeneca e pelos efeitos secundários do seu fármaco.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+