Tempo
|
A+ / A-

​O regresso dos “bailes mandados”. Associação PédeXumbo recupera tradição

19 abr, 2021 - 15:13 • Rosário Silva

A desenvolver em dois anos pela associação que promove a música e dança, em Évora, o projeto propõe trazer de volta “aos terreiros” os bailes mandados, garantindo “que se ouve sempre mais a voz do povo”.

A+ / A-

“De volta aos Bailes Mandados em Portugal” é o novo projeto da PédeXumbo – Associação para a Promoção da Música e da Dança, com sede em Évora, e um dos dez vencedores da 4ª edição do programa “Tradições”, da responsabilidade da EDP.

Promover momentos de partilha entre bailadores e mandadores de diferentes danças mandadas, em três regiões de Portugal (norte, centro e sul do país), é um dos objetivos do projeto, que pretende resgatar esta prática informal em bailes e promover a sua valorização.

“Este novo projeto procura pôr em diálogo diferentes comunidades, para aprenderem práticas uns dos outros e descobrir o contexto no qual as práticas são incorporadas”, explica a coordenadora científica do projeto, Sophie Coquelin.

O “baile mandado” é um dos mais antigos e conhecido dos bailes de roda algarvios, em que os pares cumprem as ordens do chamado mandador, a figura que comanda o baile.

No caso do projeto da PédeXumbo, o termo pretende abranger diferentes danças que existem um pouco por todo o mundo, tendo em comum a existência de um mandador que “anuncia figuras coreográficas a executar” e que, por vezes, “pode ser bailador ao mesmo tempo, ou ficar ao lado dos tocadores”.

De acordo com Sophie Coquelin, a figura do mandador ou marcador “pode ser associada à contredanse, um género coreográfico que se difundiu a partir das cortes francesa e inglesa para todo o mundo, sob influência ocidental”.

Apesar de estar, inicialmente, ligada às elites, a sua difusão acabou por chegar a todas as classes sociais, ao longo dos séculos XVIII e XIX.

Este projeto, em concreto, é de âmbito nacional, e vai ser desenvolvido em dois anos, com incidência em quatro concelhos onde existem ou já existiram bailes mandados: no Norte, em Ponta da Barca (Vira e Chula Mandada); no Centro, na Lousã (Fado mandado); no Sul, em Reguengos de Monsaraz (Contradança no Baile da Pinha) e em Sines (Valsa mandada).

“A nossa proposta é trabalhar nestes quatro concelhos e envolver quem queira participar”, destaca a responsável pela coordenação científica do projeto.

Numa primeira fase é feita uma formação para dar a conhecer vários tipos de bailes mandados, nestes concelhos. Segue-se uma outra fase que prevê a realização de um encontro em Reguengos para que as comunidades participantes possam dialogar através da dança.

“Além de pôr as pessoas a bailar, o objetivo é também formar novos mandadores e quem já sabe bailar também poderá aprender algo novo”, acrescenta Sophie Coquelin.

Em tempo de pandemia, a associação PédeXumbo vai criar conteúdos em vídeo para ensinar a mandar, dando informação simples para iniciantes com figuras, música de suporte e técnicas para articular a música e a dança. Está prevista, também, a criação de um manual de boas práticas para organizar um baile mandado.

No final do projeto, em 2022, os promotores esperam conseguir “capacitar pessoas singulares ou membros de associações para que revitalizem as suas práticas em contexto informal, como o baile”, garantindo que o baile mandado possa voltar a ser executado, em contexto bailatório ou ritual.

“O futuro dos bailes mandados é voltar aos terreiros e garantir que se ouve sempre mais a voz do povo, contrariando a monopolização imposta pelos seus representantes, políticos ou outros”, atesta Sophie Coquelin.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+