Tempo
|
Ribeiro Cristovão
Opinião de Ribeiro Cristovão
A+ / A-

​A águia marcou falta de comparência

19 abr, 2021 • Opinião de Ribeiro Cristovão


Na última sexta-feira não deixámos aqui de considerar que, não obstante o favoritismo com que os três grandes partiam para a jornada do fim de semana, as contas poderiam sair furadas caso não fossem todas as mais recomendáveis cautelas.

Acrescentávamos então que nenhum deles poderia (deveria) considerar-se indiscutível favorito, inclusive Benfica e Futebol Clube do Porto os quais, aparentemente se deparavam com tarefas de menor exigência. Já o Sporting, marcado por dois empates consecutivos, partia para Faro com redobrados motivos de preocupação.

Cumprida a ronda, pode dizer-se que o trio do comando, sujeito a trabalhos forçados, confirmou as dificuldades que se anteviam.

Leões e dragões venceram, é verdade, mas não foram além de escassas vitórias por um só golo, enquanto as águias voaram demasiado baixo, e disso acabaram por ser penalizadas.

Em suposta maré alta, no pós sete jornadas sempre a vencer e sem sofrer golos, o Benfica teve falta de comparência na Luz, deixou o Gil Vicente confirmar o seu excelente momento com três vitórias em quatro jogos, e assim regressou aos tempos em que a dúvida era a palavra de ordem no espaço benfiquista.

E, mais grave, a entrada direta na Liga dos Campeões ficou agora muito mais distante, o que constitui um forte quebra-cabeças para aqueles a quem cabe a tarefa de comandar a nau encarnada.

O espaço de Jorge Jesus fica igualmente mais reduzido, porque ainda que ninguém lhe tenha perguntado se continua a ter condições para permanecer no comando da equipa, a realidade começa a desmentir essa possibilidade. Com um lote de jogadores que custaram muitos milhões, vergado ao peso das promessas de esmagar e jogar o triplo, ao treinador encarnado chegam, cada vez com mais intensidade, os protestos de uma numerosa massa associativa que sente traídas todas as expectativas criadas há meses atrás.

Melhores estão Sporting e Porto, muito embora ainda não seja tempo de cantar vitória.

A sete jornadas do fim há ainda pela frente um caminho cheio de pedras.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    19 abr, 2021 Madeira 14:54
    O Sr. Ribeiro Cristóvão pertence áquele grupo de pessoas que quando um grande perde, não valoriza o clube pequeno e foi porque o grande jogou pouco ou nada. Sempre aprendi, que no futebol um clube joga o que o outro deixa e são onze contra onze. O titulo deste artigo de opinião é muito redutor e ofensivo para os de Barcelos. Haja desportivismo e respeito por todos os clubes. Já não é de agora que os relatores de futebol têm dificuldade em gritar golo dum clube pequeno e quando o grande marca golo, é uma gritaria. Enfim...mais do mesmo.