Tempo
|
A+ / A-

Vacinação nas escolas

“Ninguém está esquecido”, garante coordenador da "task-force"

17 abr, 2021 - 11:00 • Redação

O vice-almirante Gouveia e Melo diz que não ser vacinado é um "totoloto" perigoso e que as pessoas recuperadas vão integrar a segunda fase de vacinação.

A+ / A-

Veja também:


O coordenador da “task-force” da vacinação nacional garantiu que os professores que ainda não foram chamados vão ser novamente incluídos no processo. “Ninguém está esquecido”, afirmou o vice-almirante, em Gondomar, em declarações aos jornalistas.

O coordenador assegurou que “se houve professores e auxiliares que não foram incluídos por falha vão ser novamente incluídos dentro do processo de vacinação normal com a mesma prioridade que têm agora”.

Esses serão convocados “já a partir desta semana”, sublinhou.

Quanto ao ensino superior “foi decidido que não vai ser vacinado nesta fase”.

Não ser vacinado é ser "um em 600 portugueses" que morreu em 2020

Para o coordenador da “task force”, recusar ser vacinado contra a Covid-19 é fazer parte do "totoloto" de "um em 600 portugueses" que em 2020 morreu com a doença.

Sobre os receios das pessoas em serem vacinadas com a vacina “a ou b”, porque causam “este e aquele problema”, Henrique Gouveia e Melo frisou que acontece “um caso em um milhão, muito diferente de um caso em 600”.

As pessoas têm de perceber de que lado querem estar, avisou, acrescentando que não vacinar não significa estar “numa bolha isolada e conseguir fugir ao problema”.

O coordenador reforçou que é “muito mais perigoso” não ter a vacina do que ter a vacina. “Não me parece que seja uma boa decisão [não tomar a vacina], a decisão é individual, cada um tem liberdade para decidir, mas não tomar a vacina é, na minha modesta opinião, um erro e constitui um perigo para a pessoa e para a sociedade.”

Plataforma de autoagendamente disponível em maio

O autoagendamento da toma da vacina, através de uma plataforma digital, está a ser concluído, devendo estar em funcionamento daqui a 15 dias.

“O autoagendamento está a ser terminado, vai ainda ser testado e, só depois, é que vai entrar, segundo a linguagem informática, em produção. Espera-se a entrada em produção daqui a 15 dias”, afirmou o vice-almirante Henrique Gouveia e Melo.

Nos últimos tempos “aconteceram coisas”, nomeadamente relacionadas com as vacinas, que fizeram com que houvesse outras prioridades para resolver “mais urgentemente”, justificou.

Lembrou que o mundo está a mudar e o planeamento tem de se adaptar a essas mudanças.

Tal como já havia referido em entrevista à RTP, explicou ainda que os cidadãos que já tiveram Covid-19 e recuperaram da doença “serão integrados na segunda fase”, pois existe maior abundância de vacinas.

Segundo o vice-almirante houve uma alteração de conceito. “Na primeira fase, havia uma escassez de vacinas e, considerando que as pessoas recuperadas estavam de alguma forma imunizadas, o que se fez foi concentrar as vacinas onde era mais necessário.”

Já esta manhã, o presidente da Associação de diretores de Agrupamentos Escolares falou de um passo importante. Filinto Lima, que também vai ser hoje vacinado, acredita que os professores do secundário vão regressar mais confiantes às aulas presenciais, já na segunda-feira.

A Renascença apurou que a vacina que está a ser administrada este fim de semana é a da Pfizer.

No início da semana passada, os mesmos professores e funcionários começaram a receber a convocatória para o “grande exercício” de vacinação, como lhe chamou o ministro da Educação, que estava previsto para o passado fim de semana.

Os planos foram, no entanto, adiados pela decisão da Direção-Geral da Saúde (DGS) de recomendar a administração da vacina da AstraZeneca contra a Covid-19 em pessoas acima dos 60 anos de idade. As novas restrições obrigaram a atrasar uma semana o processo de inoculação.

O primeiro exercício de vacinação do pessoal das escolas decorreu no fim de semana de 27 e 28 de março, em que foram vacinados mais de 60 mil professores e não docentes do ensino pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino público e privado.

Em Portugal, morreram 16.937 pessoas dos 829.911 casos de infeção confirmados, de acordo com o último boletim da Direção-Geral da Saúde.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ivo Pestana
    17 abr, 2021 Funchal 14:37
    Não levar a vacina também é um direito e chama-se, liberdade. Por isso é facultativo.

Destaques V+