Tempo
|
A+ / A-

Rússia

Navalny diz que regime quer alimentá-lo à força

12 abr, 2021 - 20:10 • Lusa

O opositor russo está em greve de fome em protesto contra a forma como está a ser tratado pelas autoridades prisionais.

A+ / A-

O opositor russo Alexei Navalny afirmou esta segunda-feira na rede social Twitter que as autoridades penitenciárias estão a ameaçar alimentá-lo à força para quebrar a greve de fome que mantém na prisão desde 31 de março.

“Ele pesa 77 kg”, lê-se na conta, sublinhando-se que perdeu oito quilogramas desde que iniciou a greve de fome.

"Face à seriedade da greve de fome, a administração [penitenciária] ameaça-o diariamente de alimentá-lo à força", prossegue o texto, que claramente não foi escrito pelo próprio.

A alimentação à força de um preso na Rússia é permitida por lei e pode ser feita por via oral, retal ou por intubação, sendo o “tratamento” visto por ativistas de direitos humanos como uma forma de tortura.

Navalny – preso por dois anos e meio por causa de um alegado caso de fraude amplamente visto como um pretexto para prendê-lo, ideia negada pelo Kremlin – parou de comer para denunciar as condições da sua detenção na colónia prisional de Pokrov, a cerca de uma centena de quilómetros de Moscovo.

Navalny acusa as autoridades de lhe negarem tratamento médico adequado para problemas nas costas que o fazem sofrer e interferem no funcionamento das suas mãos e pernas.

Segundo os advogados, Navalny tem uma dupla hérnia discal.

Além disso, o opositor russo já disse que é “torturado” pela privação de sono, uma vez que os guardas prisionais o acordam várias vezes durante a noite.

As autoridades russas, por sua vez, rejeitam todas as acusações de Navalny, defendendo que o opositor está a receber todos os cuidados médicos de que precisa.

“Ele [Navalny] ainda não tem acesso a um médico”, lê-se no texto da mensagem publicada no Twitter.

Navalny, profundamente crítico do Kremlin, sobreviveu no verão passado a um envenenamento com um agente nervoso desenvolvido pelos militares soviéticos e acusa o Presidente russo, Vladimir Putin, e os serviços de inteligência (FSB) de terem tentado eliminá-lo, o que é negado pelas autoridades russas, que têm recusado até agora investigar o incidente.

Ao regressar à Rússia, após cinco meses de convalescença na Alemanha, Navalny foi preso ao chegar ao aeroporto de Moscovo e rapidamente julgado e enviado para a prisão, por violar uma revisão judicial num caso anterior.

Navalny, com milhões de seguidores nas redes sociais, é especialista em investigações de corrupção, em que visa sobretudo as ligações entre Putin e vários oligarcas russos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+