Tempo
|
A+ / A-

Pandemia

Ideias de juiz negacionista são "corrosivas para a imagem da justiça"

08 abr, 2021 - 13:32 • Lusa

Presidente do Conselho da Magistratura defende alterações no processo de formação e seleção de magistrados.

A+ / A-

O presidente do Conselho Superior da Magistratura, António Joaquim Piçarra, considera "corrosivo para a imagem da justiça" a posição negacionista sobre a pandemia de covid-19 assumida por um juiz e defende alterações no processo de formação e seleção de magistrados.

"As pessoas não compreendem como é que uma pessoa dessas está a exercer funções", admitiu António Joaquim Piçarra, em entrevista à agência Lusa, lembrando que o Conselho, "logo que teve conhecimento das suas posições públicas, rapidamente atuou, instaurou um inquérito processo disciplinar e suspendeu-o preventivamente".

Para o presidente do Supremo Tribunal de Justiça e por inerência do Conselho Superior da Magistratura (CSM), a postura pública do juiz do Tribunal de Odemira Rui Pedro Castro, que assumiu ser contra medidas tomadas no estado de emergência com declarações contra o uso de máscaras e as medidas de confinamento, durante a pandemia de covid-19, é corrosiva para a imagem da justiça.

Durante o seu mandato de quase três anos à frente do CSM, vários foram os casos de juízes a quem foram instaurados processos disciplinares por suspeitas de corrupção, viciação de sorteios, abuso de poder e, segundo António Piçarra, estes casos também se podem combater através de um mais rigoroso processo de seleção de quem vai para a judicatura.

"Deve existir um maior rigor na seleção da entrada dos candidatos à magistratura", defendeu António Piçarra, defendendo a realização de exames psicológicos aos alunos do Centro de Estudos Judiciários (CEJ).


O conselho decidiu, em 2019, expulsar o desembargador da Relação de Lisboa Rui Rangel e aposentar compulsivamente a sua ex-mulher e juíza Fátima Galante e instaurou procedimentos disciplinares a Orlando Nascimento e a Rui Gonçalves por suspeitas de abuso de poder, tendo o presidente do CSM assumido que os casos não se desenrolaram de forma mais célere devido à pandemia, que suspendeu a contagem de prazos, impedindo que até ao momento haja decisões disciplinares.

De acordo com o presidente do STJ, o órgão de gestão e disciplina dos magistrados "deve ter uma atuação célere para erradicar todos estes fenómenos" e continuar "a ser rigoroso, extremamente exigente", observando que o órgão de gestão e disciplina dos juízes, nos casos mais graves, conseguiu mesmo antes de existir acusação instaurar processos disciplinares e aplicar as sanções.

Porém, entende que essa exigência também deve existir na fase de recrutamento dos magistrados judiciais, da responsabilidade do CEJ.

"O conselho deve continuar a ser rigoroso extremamente exigente, mas essa exigência também tem que ser no recrutamento".

"Todos nós estamos sujeitos de facto a alterações da nossa vida pessoal e dos nossos comportamentos, mas é preciso que o conselho esteja atento de modo a detetá-los a tempo de serem erradicados porque a magistratura não pode ter pessoas que não sejam íntegras. o Conselho demonstrou, eu próprio propus, que não precisa aguardar pela acusação nem pela condenação para instaurar processos disciplinares e se entender que, face às provas que estão no processo disciplinar, ainda que recolhidas do inquérito crime, pode conduzir a sanções expulsivas", referiu.

Segundo o presidente do CSM, "a ação disciplinar é autónoma da ação criminal e no processo disciplinar estão em causa deveres funcionais e é isso que o conselho tem que avaliar".

Questionado pela Lusa sobre os efeitos da situação pandémica e das medidas adotadas no estado de emergência, o presidente do STJ sublinhou que a pandemia veio interromper uma trajetória de recuperação de pendências notável.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • HM
    10 abr, 2021 Lisboa 12:52
    Engraçado não realçarem o facto deste senhor usar avental nos tempos livres e prosseguir interesses elitistas que em nada defendem a democracia e o povo português. Escolhem as notícias que querem passar à população mancha do a reputação de uma pessoa íntegra que informa o cidadão comum dos seus direitos, do que o Estado pode e não pode fazer. É depois vêm estes jornalismos encomendados que se jornalismo têm zero! Triste realidade a deste Portugal.
  • João
    08 abr, 2021 Viseu 13:51
    Aguardemos. «Um Estado que não se regesse segundo a justiça, reduzir-se-ia a um bando de ladrões»: Agostinho de Hipona (354-430).
  • Ivo Pestana
    08 abr, 2021 Funchal 13:26
    Concordo, mas as sentenças que ninguém aceita ou entende, também é corrosivo. A Justiça tem de ter mão forte, muitos criminosos riem-se e gozam da nossa Justiça. Fazem do pior e depois recorrem e recorrem até ao Céu, se for preciso...muita coisa atrapalha o seu bom desempenho.

Destaques V+