Tempo
|
A+ / A-

Jorge Coelho era "um ser humano admirável", diz António Vitorino

07 abr, 2021 - 20:51 • Lusa

O diretor-geral da Organização Internacional das Migrações "profundamente chocado e devastado" com a morte do "grande, grande amigo" Jorge Coelho.

A+ / A-

O diretor-geral da Organização Internacional das Migrações (OIM), António Vitorino, manifestou-se hoje "profundamente chocado e devastado" com a morte do "grande, grande amigo" Jorge Coelho, "um ser humano admirável".

"Estou profundamente chocado com esta terrível notícia. Perdi um grande, grande, amigo, uma pessoa que, além de todas as qualidades políticas que se lhe reconhecem, quer por companheiros quer por adversários, era um admirável ser humano, uma pessoa que era intensa em tudo o que fazia", sublinhou em declarações à agência Lusa.

"Genuíno, autêntico, convicto, mas ao mesmo tempo uma pessoa de uma enorme afabilidade pessoal e que deu o melhor de si próprio ao Partido Socialista e à causa pública nos vários cargos que desempenhou. Esta notícia deixou-me completamente devastado", considerou Vitorino.

O antigo comissário europeu, ministro e deputado socialista, atualmente na liderança da OIM, adiantou à Lusa conhecer Jorge Coelho há quase 40 anos e salientou que a morte do também antigo ministro nos governos de António Guterres o deixa "muito mal".

"Meu Deus, conhecíamo-nos há mais de 30 anos, desde o início dos anos 1980, quase há 40 anos. [A morte de Jorge Coelho] Deixa-me muito mal. Guardo já uma enorme saudade dele. Não consigo ser mais eloquente neste momento, estou devastado", concluiu Vitorino emocionado.

Jorge Coelho, natural de Mangualde, no distrito de Viseu, morreu hoje, aos 66 anos, disse à Lusa fonte do PS.

A partir de 1992, com António Guterres na liderança, Jorge Coelho foi secretário nacional para a organização, contribuindo para a vitória eleitoral dos socialistas nas legislativas de 1995. .

Nos governos do PS chefiados por Guterres, foi ministro Adjunto, da Administração Interna, da Presidência e do Equipamento Social.

Quando a Ponte Hintze Ribeiro, sobre o rio Douro, colapsou na noite de 4 de março de 2001, provocando a morte de 59 pessoas, Jorge Coelho, então ministro do Equipamento, demitiu-se de imediato, afirmando que "a culpa não pode morrer solteira".

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+