Tempo
|
A+ / A-

Caso Ihor. Inspetores do SEF podem escapar a acusação por homicídio

07 abr, 2021 - 13:00 • Redação

Informação foi avançada por Ricardo Sá Fernandes, advogado de defesa de um dos inspetores do SEF.

A+ / A-

Os inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) acusados de homícidio qualificado do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk no caso da morte podem ver reduzida a gravidade dos crimes de que são acusados.

A informação foi prestada pelo advogado Ricardo Sá Fernandes, advogado de defesa de um dos três inspetores do SEF envolvidos no processo.

"O tribunal admitiu, para além das duas hipóteses que já estavam em causa - o homicídio ou a absolvição -, o tribunal veio abrir uma terceira hipótese que é a acusação, não de homicídio, mas de ofensa à integridade física", explicou Sá Fernandes.

O advogado adiantou que a diferença entre acusações reside na questão da intenção. "O homicídio pressupõe a intenção de matar, a integridade física não", detalha.

A acusalão de ofensa à integridade física grave qualificada tem uma moldura penal menos grave.

Neste julgamento, os inspetores Duarte Laja, Bruno Sousa e Luís Silva estão acusados do homicídio qualificado de Ihor Homeniuk, crime punível com pena até 25 anos de prisão, sendo que dois dos arguidos respondem por posse de arma ilegal (bastão).

Segundo a acusação, o trio de inspetores foi à sala onde se encontrava Ihor Homeniuk e depois de o algemarem com as mãos atrás das costas e de lhe amarrarem os cotovelos com ligaduras, desferiram um "número indeterminado de socos e pontapés".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Maria Adelaide Pinto
    07 abr, 2021 Porto 12:15
    Está à vista de que a democracia portuguesa quer esconder o assassinato do cidadão ucraniano. Tudo indica para que ele tenha sido assassinado por outros - talvez estrangeiros - e que os inspetores do SEF sejam apenas a interface de serviços de espionagem.

Destaques V+