Tempo
|
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
Tudo o que precisa de saber sobre o Mundial 2022 Últimas Notícias Mundial 2022
A+ / A-

Myanmar. Suu Kyi foi acusada de violar lei de segredos de Estado

01 abr, 2021 - 21:08 • Lusa

Ex-líder já tinha sido acusada de corrupção e incitamento a distúrbios públicos depois do golpe militar de 1 de fevereiro.

A+ / A-

A ex-líder birmanesa Aung San Suu Kyi é acusada pela junta militar de violar uma lei de proteção de segredos de Estado que data da era colonial, disse esta quinta-feira o seu advogado Khin Maung Zaw.

As autoridades de Myanmar (antiga Birmânia) “iniciaram um novo processo em 25 de março, acusando-a (Aung Suu Kyi) de violar uma lei sobre segredos de Estado”, disse Khin Maung Zaw à agência France-Presse.

Suu Kyi, que está impedida de fazer declarações desde que foi detida pelo exército, no momento do golpe militar de 1 de fevereiro, também já tinha sido acusada de corrupção e de “incitamento a distúrbios públicos”.

A revelação acontece no dia em que a junta militar que tomou o poder em Myanmar ordenou às operadoras de telecomunicações para suspenderem as conexões de Internet sem fio, “até novas instruções”.

As autoridades já tinham ordenado a suspensão de transmissão de dados móveis, mas este novo corte ameaça paralisar as comunicações online do país, onde muito poucas pessoas têm acesso a linhas fixas.

Papa. “Também eu me ajoelho nas ruas de Myanmar. Parem com a violência”
Papa. “Também eu me ajoelho nas ruas de Myanmar. Parem com a violência”

A decisão de suspender a transmissão de dados móveis, há duas semanas, foi tomada para complicar os esforços de organização de novos protestos, bem como a cobertura da crise pelos jornalistas, o serviço de Internet móvel foi cortado, embora o acesso ainda esteja disponível por conexões de banda larga fixa.

O serviço de dados móveis foi usado para transmitir a cobertura de vídeo ao vivo dos protestos, muitas vezes revelando as forças de segurança a atacar os manifestantes.

O bloqueio do serviço de Internet impediu a participação numa audiência judicial por videoconferência de Suu Kyi, que se encontra detida desde o golpe militar.

A junta militar que derrubou a chefe de Governo civil Aung San Suu Kyi, a 1 de fevereiro, tem reprimido de forma violenta as manifestações diárias que pedem o regresso da democracia e a libertação de antigos líderes.

Pelo menos 459 pessoas já morreram desde o golpe, que os militares justificam alegando fraude eleitoral cometida nas eleições legislativas de novembro passado, nas quais a Liga Nacional para a Democracia, partido de Suu Kyi, venceu por esmagadora maioria.

Tanto os observadores internacionais como a comissão eleitoral deposta pela junta militar após a tomada do poder negaram a existência de irregularidades, apesar da insistência de alguns comandantes do Exército, cujo partido detém 25% dos lugares no Parlamento.

A comunidade internacional tem anunciado sanções contra os líderes do golpe militar, incluindo o general Min Aung Hlaing, presidente do Conselho Administrativo de Estado e autoridade máxima em Myanmar.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+